Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marconi atinge prejuízos semestrais de 8,3 mil milhões de euros

A britânica Marconi anunciou que as perdas registadas no primeiro semestre fiscal alargaram-se para os 5,1 mil milhões de libras (8,3 mil milhões de euros ou 1,7 mil milhões de contos), devido ao decréscimo das vendas e ao aumento da dívida.

Ana Torres Pereira atp@negocios.pt 13 de Novembro de 2001 às 12:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A Marconi, empresa britânica de telecomunicações, anunciou que as perdas registadas no primeiro semestre fiscal alargaram-se para os 5,1 mil milhões de libras (8,3 mil milhões de euros ou 1,7 mil milhões de contos), devido ao decréscimo das vendas e ao aumento da dívida.

Os prejuízos registados nos seis meses que terminaram em Setembro comparam com as perdas de 147 milhões de libras (239,1 milhões de euros ou 47,9 milhões de contos) registadas no mesmo período do ano passado, divulgou a empresa em comunicado.

A dívida líquida da empresa britânica ascendia, no final de Setembro, aos 4,28 mil milhões de libras (6,9 mil milhões de euros ou 1,4 mil milhões de contos), registando um acréscimo de 35% face a 31 de Março do corrente ano, o que compara com a dívida de 2,15 milhões de libras (3,5 milhões de euros ou 702 mil contos) registada em Março de 2000.

A Marconi está a tentar vender as suas participações, a fim de reduzir a dívida, não prevendo «nenhuma subida no mercado para este ano nem para o próximo», disse Michael Patrol, presidente executivo da Marconi, citado em comunicado.

As receitas da companhia de telecomunicações caíram 19% para os 2,58 mil milhões de libras (4,2 mil milhões de euros ou 842 milhões de contos), contra os 3,2 mil milhões de libras (5,2 mil milhões de euros ou 1,04 mil milhões de contos) registados no mesmo período do ano passado.

A 15 de Outubro, a Marconi havia adiantado que as vendas de equipamentos telefónicos caíram cerca de um terço no segundo semestre fiscal.

A Marconi perdia 2,73%, a cotar nas 0,30 libras (0,49 euros ou 98 escudos), em Londres.

Ver comentários
Outras Notícias