Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marias de papel conquistam Europa com mira no Japão

O projecto da designer Cláudia Nair recicla jornais para construir bonecas artesanais que estão a ser exportadas para galerias e lojas um pouco por toda a Europa. E tem o sonho de entrar no Japão.

Paulo Duarte
Alexandra Noronha anoronha@negocios.pt 10 de Abril de 2017 às 22:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Para fazer uma Maria só é preciso balões, cola, jornais velhos e tinta acrílica. É com estes materiais, que se encontram em qualquer lado, que Claúdia Nair constrói as bonecas, que estão à venda já um pouco por toda a Europa.

O projecto das Marias Paperdolls nasceu em 2011 com vários sócios mas, destes, só a designer se manteve no negócio. Contando com a ajuda de Catarina Furtado, a apresentadora lançou uma colecção de Marias a promover os direitos das mulheres e a partir daí foi sempre a subir. Actualmente, tem três pessoas a trabalhar no atelier que se irá mudar de Valongo para o Porto.

Mas é nos mercados estrangeiros que está o futuro das Marias. "É difícil trabalhar para Portugal. Lá fora estou a vender em França, Itália e Espanha", referiu Cláudia Nair. As Marias estão disponíveis, sobretudo, em lojas de decoração e têm sido usadas por designers de interiores. Também já começou a trabalhar o mercado da Dinamarca. E tem um sonho. Cláudia Nair quer entrar no mercado japonês, mas tem algum receio das despesas com o transporte, mas também teme que o seu trabalho não seja bem compreendido pelo público daquele país.

Ainda neste processo internacional, a empresa esteve numa feira no Canadá, com outras duas sociedades nacionais, a Burel e a Carapau, depois de já constar por algumas vezes na parisiense Maison et Object. As Marias estão ainda em galerias belgas e lojas de decoração espanholas.

Cláudia Nair admite desconhecer os preços a que as suas peças são revendidas, mas acredita que sejam bem superiores às originais. De um preço de cerca de100 euros podem chegar aos 300 euros ao consumidor final, acredita a empresária. As Marias são sobretudo "compradas por estrangeiros" mesmo quando são vendidas em Portugal.

Cláudia Nair está sempre a fazer colecções diferentes, ainda que admita que muitos clientes queiram Marias iguais. Quando a repetição é muita, a artista entrega os trabalhos aos colaboradores e dedica-se a fazer criações novas, como a colecção de "divas da música", que incluem representações de Janis Joplin e Nina Simone, entre outras. Ainda não estão à venda porque Cláudia Nair acredita que devem "viver" um pouco antes de as comercializar.

A designer vendeu no ano passado cerca de 250 bonecas e conta este ano aumentar este volume, contando também já com o novo espaço no Porto. "Espero bem precisar de contratar mais pessoas", salientou Cláudia Nair. A artista, que utiliza nestas bonecas jornais velhos, admite que "há muita coisa ainda que se pode reciclar", para fazer as Marias do futuro. 

Ver comentários
Saber mais Marias Paperdolls Cláudia Nair artesanato bonecas jornais Europa Japão
Outras Notícias