Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Mário Lino remete decisão sobre linha Porto/Vigo para 2007

O Governo português só vai tomar uma decisão final sobre a linha ferroviária de Alta Velocidade entre Porto e Vigo, na Galiza, em 2007, assegurou hoje Mário Lino, ministros das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

Nuno Miguel Silva nmsilva@mediafin.pt 13 de Dezembro de 2005 às 10:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Governo português só vai tomar uma decisão final sobre a linha ferroviária de Alta Velocidade entre Porto e Vigo, na Galiza, em 2007, assegurou hoje Mário Lino, ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

«Precisamos de estudos mais aprofundados, saber que tipo de linha e qual a configuração geral do traçado», justificou hoje o governante, à saída da sessão de apresentação do projecto de Alta Velocidade, que decorrerá durante todo o dia de hoje, no centro de Congressos da FIL, em Lisboa.

Mário Lino remeteu também para o próximo ano a decisão governamental sobre a localização da entrada em Lisboa da linha que fará a ligação com o Porto, estando por definir se essa entrada se fará pelo Norte ou pelo sul de Lisboa.

O projecto de alta velocidade apresentado hoje pelo actual governo aposta na concretização de duas linhas prioritárias: uma entre Lisboa e Madrid, e outra entre a capital e o Porto.

A conclusão da primeira está agora prevista para 2013, e a da segunda para 2015.

O investimento a realizar na construção das linhas Lisboa/Porto e Lisboa/Madrid, será, respectivamente, na ordem dos 4,7 e 3 mil milhões de euros, num total de 7,7 mil milhões de euros, a que acresce um investimento em material circulante na ordem dos 450 milhões de euros.

«Quanto às restantes ligações, a sua concretização não está posta em causa. Mas as novas datas previstas para a sua conclusão, só poderão ser fixadas após estarem terminados os estudos em curso para decidir as condições da sua viabilização», explicou Mário Lino na intervenção de abertura da sessão de apresentação.

O projecto inicial do TGV previa, para além destas três linhas já referidas, as ligações Aveiro/Salamanca e Lisboa/Faro/Huelva.

O ministro das Obras Públicas reconheceu também que no auge do volume de obra deste projecto, entre 2010 e 2012, está assegurada a criação de 100 mil empregos adicionais em Portugal, não só através do volume de empreitadas de construção civil, mas também por outras «várias formas, como com os empregos associados à própria exploração» da rede de Alta Velocidade.

Outras Notícias