Tecnologias Mark Zuckerberg responde a críticas de Tim Cook

Mark Zuckerberg responde a críticas de Tim Cook

O fundador do Facebook considera "extremamente simplista" e "nada alinhados com a verdade" os comentários do líder da Apple, Tim Cook, sobre a falha de dados na rede social. E sobre o facto de ser apoiada por publicidade tem como objectivo "não servir só pessoas ricas", contrapôs.
Mark Zuckerberg responde a críticas de Tim Cook
Reuters
Raquel Murgeira 02 de abril de 2018 às 16:45

Mark Zuckerberg já reagiu aos comentários de Tim Cook. O fundador do Facebook considerou "extremamente simplista" e "nada alinhados com a verdade" os comentários do líder da Apple. Isto depois de Tim Cook sugerir que a rede social não se importa com os utilizadores e lançando críticas ao modelo de negócio do Facebook baseado em anúncios, segundo o Financial Times.

O fundador do Facebook defende o modelo de negócios baseado em publicidade utilizado pela rede social e responde que "ter um modelo sustentado por publicidade é o único modelo racional que pode suportar a construção deste serviço para alcançar as pessoas" e continua, acrescentando que, "se querem construir um serviço que não serve só pessoas ricas, então é preciso ter algo que as pessoas possam pagar".

Mark Zuckerberg também salientou "a grande responsabilidade" do Facebook em "ajudar a suportar um jornalismo de qualidade" apontando ainda para a importância das subscrições como a chave para as receitas das novas organizações.

Depois da polémica da Cambridge Analytica, em que a informação pessoal de mais de 50 milhões de utilizadores do Facebook foi usada de forma indevida e sem a permissão dos mesmos, o líder da Apple criticou Mark Zuckerberg relativamente aos últimos escândalos que tem envolvido a rede social mais utilizada do mundo, defendendo inclusivamente que para este caso a auto-regulação empresarial já não é suficiente.

Questionado sobre o que faria se estivesse na posição de Zuckerberg, Tim Cook, citado no Financial Times, responde dizendo que, "eu não estaria nessa situação". O líder da fabricante do iPhone acrescentou ainda que, "nós preocupamo-nos com a experiência do utilizador e não vamos atrás da informação das suas vidas pessoais".

As polémicas a envolver o Facebook têm gerado contestação por parte dos órgãos reguladores tanto europeus como americanos, que estão já a estudar formas de impor restrições às redes sociais. Nesse sentido, Julian King, comissário europeu para a segurança, citado no Financial Times, exige a criação de um "plano de jogo claro" em relação às redes sociais principalmente em períodos eleitorais sensíveis, a começar pelas eleições europeias do Parlamento Europeu marcadas para Maio de 2019.

Numa carta de Julian King para a comissária europeia da economia digital, Mariya Gabriel, o responsável sugere "mais transparência nos algoritmos que as empresas de tecnologia usam para promover notícias, bem como limites na colheita de informações pessoais para fins políticos", citado no Financial Times.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI