Energia Mexia fica no cargo se for acusado no processo dos CMEC? "Quem decide são os accionistas"

Mexia fica no cargo se for acusado no processo dos CMEC? "Quem decide são os accionistas"

O presidente da EDP foi nomeado para um quinto mandato à frente da empresa, depois de ter sido constituído arguido no caso dos CMEC.
Mexia fica no cargo se for acusado no processo dos CMEC? "Quem decide são os accionistas"
Hugo Correia
André Cabrita-Mendes 01 de março de 2018 às 18:29

Os accionistas da EDP são quem vai decidir se António Mexia continua no cargo, caso seja acusado no âmbito do processo dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC).

O presidente da EDP foi constituído arguido pelo Ministério Público neste processo em 2017, numa altura em que o seu mandato de três anos estava a terminar. Para acalmar a especulação sobre a continuidade de António Mexia no cargo, os maiores accionistas da empresa propuseram em Janeiro o nome de António Mexia para o quinto mandato à frente da EDP. A proposta de um nome para o mandato de presidente executivo surgiu mais cedo do que o habitual, e os accionistas vão decidir em assembleia-geral a 5 de Abril.

Questionado sobre a sua continuação no cargo, se for acusado, o líder da EDP disse que não queria "comentar o processo", limitando-se a apontar que a decisão está nas mãos dos accionistas.

"As empresas são dos seus accionistas, quem decide são os accionistas", disse António Mexia esta quinta-feira, 1 de Março, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados da EDP.

"É claro. Com tudo aquilo que está em causa, os accionistas decidirão", acrescentou o responsável. Além de António Mexia, também o administrador e presidente executivo da EDP Renváveis, João Manso Neto, foi constituído arguido.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 02.03.2018

Não vale defender os interesses da EDP pagando milhões para ex Ministros darem aulas nos EUA ou comprando negócios com grandes mais valias para ex secretários de estado. Se não fossem os milhões gastos em publicidade, Mexia estava no esgoto. Este tipo gamou ao povo e fez se aos prémios para ele.

ganjanjo 01.03.2018

A EDP precise de um CEO profissional, e com um mandato para cortar custos e otimizar a empresa.

Repousar no aumento tarifário anual? O sócrates está preso, e o amigo passos tá a coçar as bolas.

O Mexia não tem competências para isso.

Anónimo 01.03.2018

A catraia do BE, chupista dos bens alheios, quer o lugar do Mexia (que lhe mecha) e propor o tio Jerónimo para CEO da EDPR. Que ceita de comilões.

Anónimo 01.03.2018

Antonio Mexia está a fazer um otimo trabalho como presidente da EDP, defendendo o interesse de todos os accionistas como tal mereçe e deve continuar a defender o interesse de todos.
O ser arguido não quer dizer culpado e no proçesso em questão foi para defender os interesses da EDP

Saber mais e Alertas
pub