Energia Mexia ganhou 2,28 milhões de euros em 2017

Mexia ganhou 2,28 milhões de euros em 2017

A remuneração do conselho de administração executivo da EDP foi de 11,8 milhões de euros no ano passado. Desse montante, 2,28 milhões foram para o CEO, António Mexia.
Mexia ganhou 2,28 milhões de euros em 2017
Miguel Baltazar
Carla Pedro 01 de março de 2018 às 23:34

A EDP pagou um valor bruto de 11.872.021 euros ao conselho de administração executivo (CAE) em 2017, contra 10,87 milhões no ano precedente e 10,004 milhões em 2015.

O seu presidente, António Mexia, recebeu 2,28 milhões de euros, um valor acima dos 2,036 milhões do ano anterior. Este valor engloba não só as remunerações fixas relativas a 2016, mas também as variáveis de 2016 e 2014 [esta última integrada na remuneração variável plurianual relativa à avaliação de desempenho para o período de 2012-2014].


A remuneração fixa de Mexia foi de 983.908 euros, à qual acresceram 584.366 euros por conta da remuneração variável relativa a 2016 e 720.000 euros decorrentes da variável plurianual de 2014, refere o relatório e contas de 2017 da eléctrica nacional.


A juntar a estes valores tem havido um bónus extra nos últimos anos, atribuído pela Comissão de Vencimentos, que em 2016 não teve lugar a pagamento, mas Mexia acabou por levar mais dinheiro para casa por conta da subida das remunerações variáveis.

 

Assim, a remuneração fixa foi precisamente a mesma que em 2016, mas a variável relativa a 2014 foi de 480.000 euros e a variável plurianial respeitante a 2012 foi de 549.149 euros.

Mais quatro membros com remunerações superiores ao milhão de euros


De entre os oito membros do CAE, quatro deles tiveram remunerações superiores a um milhão de euros no ano passado: Nuno Alves, João Manso Neto, António Martins da Costa e Miguel Stilwell de Andrade.


Além dos 11,87 milhões de euros atribuídos ao conselho de administração executivo, a EDP pagou ainda um montante bruto de 1,90 milhões aos membros do Conselho Geral e de Supervisão em 2017 – sendo que a maior fatia, no valor de 515.000 euros, coube aos chineses da China Three Gorges.

(notícia actualizada às 23:54)




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 02.03.2018

Quando o Mexia iniciou este mandato as ações estavam nos €3,28. Acabou o mandato com as acções a €2,88 e constituído arguido. As boleias do Pinho e as negociatas com ex. secretários de estado foram apanhadas. E recebe prémio?

KANEKO 02.03.2018

Aguenta portuga! É sempre mamá-las. Um país miserável onde estes gajos tem salários e prémios de paxás das arábias. O que é isto de 12 milhoes para distribuir pela malta que os partidos lá colocaram? Uma ninharia.

Paulo 02.03.2018

Mas a certeza, é que vai para a merda do mesmo buraco que os outros. No buraco ou não, não vai ter hipótese de gastar essa massa toda. Siga a farra.

Anónimo 02.03.2018

Coitado. Sempre a atacar o "rapaz". O homem passa mal num mercado competitivo como este da energia. Um empresa que construiu um patrominio a custa do erario publico (por consequencia por todos os contribuintes ao longo dos anos, sustentado pelo preco dos serviços e por impostos para a sua operacionalidade). e vendido a privados. Recebe valores compensatorios de que? Tem os orgaos de gestao pagos a peso de ouro. E duro gerir uma empresa assim. E duro ser um genio a gerir

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub