Energia Mexia garante que EDP não baixa dividendo e até admite aumentar

Mexia garante que EDP não baixa dividendo e até admite aumentar

António Mexia diz que a empresa não vai reduzir o dividendo e abre a porta ao seu aumento. A eléctrica garante que está "confortável" com os consensos dos analistas em relação aos lucros estimados para 2018.
Mexia garante que EDP não baixa dividendo e até admite aumentar
André Cabrita-Mendes 02 de março de 2018 às 15:46
A EDP garante que vai manter o dividendo nos 19 cêntimos e abre a porta ao aumento da remuneração aos accionistas.

"A única coisa que não vamos ver é uma redução dos [dividendos a] 19 cêntimos. Este é um compromisso base muito forte", começou por dizer o presidente-executivo da EDP esta sexta-feira, 2 de Março, numa chamada telefónica com analistas.

"Temos uma política de dividendos com uma base de 19 cêntimos, isto não está em questão [reduzir o dividendo]. E vamos aumentar [o dividendo], assim que fizer sentido", acrescentou António Mexia.

Nos últimos dias alguns analistas estimaram que a EDP iria reduzir os dividendos devido à queda nos lucros recorrentes, que desceram 8% para os 845 milhões de euros em 2017.

A EDP não deu estimativas em relação aos seus resultados para 2018, mas o presidente da EDP analisou os consensos dos analistas.

"Estamos confortáveis com os consensos. Confortáveis com o EBTIDA e com o resultado líquido", transmitiu o presidente-executivo da EDP aos analistas.

Segundo os consensos disponíveis no site da EDP, os analistas prevêm um resultado líquido recorrente de 775 milhões em 2018, depois de ter atingido 845 milhões em 2017. Já o EBITDA ajustado deverá atingir os 3.423 milhões de euros, depois de 3.523 milhões registados em 2017.

Em relação à dívida líquida, o consenso aponta para um valor de 14.571 milhões de euros. "Esperamos que a dívida fique abaixo do consenso", apontou António Mexia, destacando que actualmente a dívida já está abaixo deste valor nos 13.902 milhões, tendo atingido o rácio de endividamento mais baixo dos últimos 10 anos. (3,7 vezes o EBTIDA).



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 03.03.2018

e que tal um rácio para as empresas cotadas como acontece aos bancos? rácios superiores a 10 sem dividendos a 5 não mais de 10% e por ai adiante a percentagem do lucro a utilizar na remuneração deveria respeitar a solides económica da empresa e da própria economia ou teremos mais bailouts...

Privatizações de Passos foram outros tantos crimes 02.03.2018

A EDP é - entre outros - o caso mais gritante da herança paradigmática q o canalha Passos legou ao país.
Qd pública, a EDP dava para os cofres do Estado ( q somos todos nós ) cerca de 1000 MM / anuais, boa parte dos quais voa agora para a China, sendo q a EDP é agora controlada, a partir da China.

Anónimo 02.03.2018

Estão "mexendo" no meu bolso. Ó Mexia quantas ações tens tu? Além do que recebes por mês, ainda tens as ações e respetivos dividendos.Aonde fazes a tua declaração de IRS. Na China. Ah pois é que lá os "favorecidos do partido" como tu não pagam IRS, para esses nem há impostos. É o comunismo, selvagem

jose 02.03.2018

Esperar se ia que Negocios comparasse estes resultados com aquilo que a EDP prometeu ao mercado em NOVEMBRO! tinham dito que resultados líquidos seriam entre €850-900 milhões. E foram €845 milhões. Já parecem os CTTs a falhar nos números!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub