Energia Ministro da Energia espanhol vê obstáculos na OPA à EDP

Ministro da Energia espanhol vê obstáculos na OPA à EDP

O responsável pela energia em Espanha antevê problemas na OPA da China Three Gorges à EDP, enquanto espera o contacto dos accionistas chineses para que estes possam avançar com a operação.
Ministro da Energia espanhol vê obstáculos na OPA à EDP
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 17 de maio de 2018 às 11:51

Em declarações ao jornal elEconomista, o ministro da Energia espanhol, Álvaro Nadal, diz aguardar o pedido formal à Comissão Nacional de los Mercados e la Competencia (CNMC) para que esta analise a operação, mas para já, mostra-se pouco confiante no sucesso da mesma. Aponta para o valor da oferta, que foi considerada baixa e "quase hostil" pelo conselho de administração da eléctrica.

Paralelamente, o político espanhol refere o entrave que pode advir da regulação europeia, que não permite que o mesmo accionista possua activos de transporte e de distribuição em simultâneo. A Rede Elétrica Nacional (REN) tem como principal accionista a State Grid of China, com 25%. A State Grid, bem como a CTG, são empresas públicas chinesas, pelo que a norma europeia seria violada.

Nadal alerta para o "vespeiro regulatório" que a OPA dos accionistas chineses à EDP terá de enfrentar. Diz seguir atentamente o processo, dado que a EDP é regulada em Espanha e possui activos nucleares. A EDP é um dos principais operadores em Espanha, e controla uma participação na central nuclear de Trillo, responsável pelos activos de distribuição da eléctrica das Astúrias.

No extenso rol de autorizações que a CTG tem de assegurar antes de avançar de facto com a OPA, constam ainda entidades espanholas como a Autoridade Portuária de Gijón e a Autoridade Portuária de Avilés, tal como se encontra descrito na adenda ao anúncio preliminar de lançamento da OPA sobre a EDP enviado à CMVM. EUA, Canadá, França e Brasil são outras das localizações cujas entidades terão uma palavra a dizer.

Na última terça-feira, o Governo chinês veio dizer que não vê razões para "terceiras partes" se oporem à OPA da China Three Gorges (CTG) à EDP. "O Governo chinês apoia e encoraja as empresas chinesas a encetarem uma cooperação mutuamente benéfica com empresas portuguesas", acrescentou, em conferência de imprensa,  o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Lu Kang.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Vindo de Espanha a gente o problema chama-se vir da China e nao de Espanha.

pub