Empresas Musk goza com autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA

Musk goza com autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA

Elon Musk, CEO da Tesla, voltou a fazer declarações controversas. Desta vez, "gozou" com a autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC), que o investigou devido aos tweets acerca da saída de bolsa da fabricante de veículos eléctricos e que o levou a abrir mão do cargo de chairman, mantendo-se apenas como presidente executivo, além de ter de pagar uma multa.
Musk goza com autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA
Reuters
Carla Pedro 05 de outubro de 2018 às 00:24

O CEO da Tesla, Elon Musk, continua a preocupar os investidores com as suas "tiradas". Desta vez o alvo foi a autoridade reguladora do mercado de capitais dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC).

 

Depois de na semana passada a SEC ter intentado uma acção contra Musk, alegando fraude bolsista, as acções afundaram. No entanto, no domingo foi anunciado que Musk acedeu a deixar as rédeas da presidência do conselho de administração da fabricante de veículos eléctricos, mantendo-se apenas como presidente executivo, o que levou a que na segunda-feira, 1 de Outubro, os títulos disparassem em bolsa, fechando a escalar 17,35% para 310,70 dólares.

 

Além de abrir mão do cargo de "chairman", ficou acordado o pagamento de uma multa à SEC por parte de Musk e da própria Tesla.

 

Tudo parecia ter acalmado um pouco, mas Elon Musk decidiu esta noite fazer da SEC alvo de chacota.

 

O presidente executivo da Tesla gozou com a SEC horas depois de um juiz federal ter ordenado que Musk e a autoridade reguladora do mercado de capitais justifiquem o acordo a que chegaram.

 

"Quero apenas dizer que a Shortseller Enrichment Commission está a fazer um trabalho incrível", escreveu Musk na sua conta na rede social Twitter.

 

Elon Musk critica frequentemente o facto de os investidores "shortarem" (apostarem na queda, comprando o que se chama de posições curtas [ou baixistas]) na Tesla e desta vez as críticas viraram-se para a SEC, ao mudar a designação do acrónimo para "Comissão de Enriquecimento dos Shortsellers".

 

"A mudança de nome é, por isso, muito apropriada!", acrescentou no seu tweet. 

As acções, que já tinham encerrado o horário regular da sessão desta quinta-feira a recuarem 4,40% para 281,83 dólares, seguem a perder 1,89 para 276,51 dólares na negociação do "after hours".

 

As declarações e atitudes polémicas

 

Musk referiu, no passado dia 7 de Agosto, que estava a pensar retirar a empresa de bolsa a um valor de 420 dólares por acção. Nesse momento, as acções dispararam para 366 dólares e a esse preço a Tesla valia 71,6 mil milhões de dólares. Segundo os dados da Bloomberg, Musk tem uma posição de 19,78% na Tesla, o que significa que teria de desembolsar 57,5 mil milhões de dólares para comprar a restante parte.

 

No dia 13 de Agosto, Musk ainda escreveu que o fundo de riqueza soberana da Arábia Saudita estava interessado em financiar a Tesla, mas mais tarde acabou por colocar na prateleira quaisquer planos de retirar a empresa de bolsa. Entretanto, o referido fundo decidiu investir mil milhões de dólares na Lucid Motors, que é rival da Tesla.

 

Estes tweets, que mexeram bastante com a Tesla em bolsa, levaram a que o Departamento da Justiça e a SEC levassem a cabo uma investigação criminal, a par com uma investigação de fraude bolsista.

 

Antes deste sai-não-sai de bolsa, Musk já andava a preocupar os investidores devido a "distracções" que não estavam a agradar ao mercado.

 

Um dos exemplos foi quando a Tesla caiu perto de 4% na sessão de 16 de Julho, com analistas e investidores a revelarem-se preocupados com os comentários de Musk sobre o noticiado resgate na gruta tailandesa.

 

Enquanto decorriam os trabalhos para tentar salvar 12 jovens e o seu treinador de uma gruta na Tailândia, Elon Musk ofereceu um mini-submarino criado pela SpaceX, para ajudar nas operações.

 

Narongsak Osottanakorn, líder da operação de resgate na Tailândia, recusou o mini-submarino, dizendo que não se adequava à tarefa. Musk respondeu no Twitter, a 10 de Julho, dizendo que Osottanakorn não era o especialista naquela matéria.

 

Além de não ter gostado da rejeição do seu aparelho, Musk insistiu e fez a mesma oferta a um dos mergulhadores da equipa de resgate, o britânico Vernon Unsworth.

 

Acontece que também o mergulhador britânico recusou o mini-submarino, tendo dito que não tinha qualquer hipótese de funcionar. E mais: Unsworth disse que Musk poderia meter o seu submarino "naquele sítio onde dói".

 

Elon Musk não gostou e respondeu com um tweet no domingo, 15 de Julho, dizendo que a sua equipa irá filmar um vídeo do mini-submarino a fazer todo o percurso até à referida gruta "sem qualquer problema". Mas não se ficou por aqui e escreveu ainda: "desculpa lá, pedófilo, mas estavas a pedi-las".

 

Musk não justificou por que razão chamou pedófilo a Unsworth e a esposa do mergulhador disse que o seu marido estava a ponderar intentar uma acção em tribunal contra Musk, refere a Reuters. Ambos os tweets de Elon Musk foram entretanto apagados da sua conta do Twitter e o CEO acabou por pedir desculpas.

Exausto... e a preocupar o mercado

 

Inúmeros analistas e investidores disseram à Reuters, sob anonimato, que os comentários de Musk têm contribuído para os receios de que as suas declarações públicas o estejam a desviar do negócio principal da Tesla – que é produzir veículos eléctricos.

Em meados de Agosto, Musk disse estar "exausto" e os receios intensificaram-se. Depois disso, já teve mais atitudes polémicas, como fumar marijuana durante um programa transmitido na Internet, em inícios deste mês, o que levou a que dois executivos da Tesla pedissem a sua demissão.

Elon Musk, além de liderar a Tesla, é também CEO da empresa de foguetões SpaceX e presidente não executivo da SolarCity [que se dedica à concepção, financiamento e instalação de sistemas de energia solar], além de ter sido o criador do sistema de pagamentos online Paypal.




pub