Empresas Negócios saídos do berço sem a "chupeta" do crédito bancário

Negócios saídos do berço sem a "chupeta" do crédito bancário

Se a obtenção de crédito, a custo razoável, já é difícil para uma empresa que leva anos de experiência no mercado e "apenas" pretende investir num novo projecto relacionado com a sua área de actividade de sempre, essas dores de cabeça multiplicam-se no caso daqueles que se estão a lançar numa nova fase da vida a trabalhar por conta própria, seja para cumprir um sonho ou para responder ou antecipar a situação de desemprego.
Negócios saídos do berço sem a "chupeta" do crédito bancário
António Larguesa 28 de janeiro de 2014 às 00:51

Para dispensar a máquina de calcular e dezenas de horas perdidas em torno de procedimentos burocráticos, há quem lance mão às suas parcas poupanças para arriscar uma vida de "patrão", quem pule de emprego precário em emprego precário para juntar o valor de que precisa, quem recorra a investidores no exterior com ligação ao sector e à região, ou quem junte mais sócios para avançar com o projecto.

 

Conheça quatro casos de jovens empreendedores e de pequenas e médias empresas que, voluntariamente ou por impossibilidade de acesso ao sistema, não bateram à porta do banco para financiar o início da actividade. 

 

Taberna do Largo. Medo da papelada fez deitar mão às poupanças 

 

Roda Livre. Estafeta montou paixão com bolsos precários 

 

Solar do Louredo. Vinho verde com fundos maduros da emigração

 

Canal do Peixe. A ilha aveirense que a banca não temperou 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI