Automóvel Nissan prevê lucros anuais mais baixos em seis anos

Nissan prevê lucros anuais mais baixos em seis anos

A Nissan reviu em baixa as suas previsões de lucros para o exercício que finda em março e antecipa um resultado que será o mais baixo desde 2013. A fabricante automóvel revelou que contabilizou um custo de cerca de 74 milhões de euros relativo aos salários do ex-presidente da empresa, Carlos Ghosn, detido desde novembro.
Nissan prevê lucros anuais mais baixos em seis anos
Negócios 12 de fevereiro de 2019 às 18:19

A Nissan reviu esta terça-feira em baixa as suas previsões de lucros para o exercício que finda em março e antecipa um resultado que será o mais baixo desde 2013. A quebra deve-se a um decréscimo das vendas, assinala a fabricante automóvel.

Adicionalmente, a empresa revelou que contabilizou um custo de cerca de 74 milhões de euros devido aos salários do ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, detido desde novembro por suspeitas de prestação de falsas informações ao mercado quanto às suas remunerações e uso indevido de dinheiro da empresa.

A Nissan, segundo maior fabricante automóvel japonês, estima um lucro operacional de 450 mil milhões de ienes (3.613 milhões de euros ao câmbio atual), uma descida de 22% face ao exercício fiscal anterior. Esta estimativa traduz uma revisão em baixa de 17% face às anteriores previsões da empresa.

Este valor corresponderia ao menor lucro operacional da fabricante nipónica desde 2013.

A empresa justifica esta revisão com a estimativa de uma quebra de 5,5% nas vendas mundiais, afectadas em particular pela China, o seu maior mercado, e os EUA.

O CEO da Nissan, Hiroto Saikawa, sublinhou que a empresa não irá tentar atingir as metas de vendas através de descontos.

"Apenas conseguimos atingir 60 a 70% dos objetivos de vendas mundiais no final do terceiro trimestre", referiu.

A Nissan estima agora encerrar o ano fiscal com 5,6 milhões de veículos vendidos em todo o mundo, abaixo da meta anteriormente avançada de 5,93 milhões de unidades.

No que respeita à China, a marca ainda prevê um crescimento das vendas, mas mais modesto, apontando para 1,56 milhões de veículos vendidos contra a anterior meta de 1,7 milhões. Já no mercado dos Estados Unidos, a Nissan antecipa uma quebra de 8,6% face às vendas em 2017, para 1,46 milhões de viaturas.

Em Portugal, a Nissan aumentou as vendas em 14,5% em 2018, para 15.553 veículos.

Provisão de 74 milhões devido a Ghosn

A Nissan indicou ter reconhecido cerca de 74 milhões de euros em despesas adicionais relativas aos pagamentos efectuados ao ex-presidente, Carlos Ghosn, entre 2010 e 2018 e que terá reportado rendimentos inferiores aos efectivamente auferidos.

Apesar de existir a possibilidade de um tribunal japonês ordenar à Nissan que pague aquele montante a Ghosn, Saikawa referiu que é "improvável" que a despesa seja realizada.

Carlos Ghosn, detido desde 19 de novembro no Japão, nega as acusações.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI