Banca & Finanças Novo Banco muda de símbolo e fica apenas com as asas da borboleta

Novo Banco muda de símbolo e fica apenas com as asas da borboleta

Da borboleta que fazia parte da primeira campanha do Novo Banco, ficam as asas. Representam uma potência matemática, para mostrar que o banco que herdou os activos do BES quer crescer. A nova identidade chega hoje.
Novo Banco muda de símbolo e fica apenas com as asas da borboleta
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 22 de setembro de 2014 às 12:00

Com mês e meio de vida, o Novo Banco estreia a identidade. Depois de uma primeira campanha em que a borboleta era a principal protagonista, o novo símbolo conta agora apenas com as asas do animal.


"O símbolo parte da reinterpretação das asas da borboleta que simbolizou na primeira campanha transformação e capacidade de renovação. Representado como uma potência matemática, traduz o elevar do compromisso da equipa Novo Banco ao desafio de voltar a ocupar a posição de liderança que o mercado sempre lhe reconheceu", indica o comunicado emitido pela instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha. O Novo Banco herdou os activos do BES, banco que ocupava o segundo lugar do "ranking" da banca privada e terceiro em todo o sector financeiro nacional. 

 

O símbolo estará ao lado do novo logótipo, que mantém a cor verde. O banco acredita que o tipo de letra apresenta uma ideia de solidez que se opõe à "leveza" do símbolo. "O ‘lettering’ é o chão, a força, o estabilizador e dele desprende-se o símbolo que é o compromisso com a elevação, a ambição e a agilidade", explica o banco no comunicado.

 

O novo logótipo e o novo símbolo, em que apenas aparece a referida "reinterpretação das asas da borboleta", começam a ser visíveis esta segunda-feira, 22 de Setembro. A mudança irá acontecer de forma progressiva, sendo que vai começar pela substituição das fachadas dos mais de 600 balcões que o banco tem no país. Até aqui, o que estava em causa era uma campanha, sendo que agora há, finalmente, uma identidade. 

 

O Novo Banco é o banco de transição que herdou os activos considerados bons do Banco Espírito Santo, a que o Banco de Portugal decidiu aplicar uma medida de resolução devido às dificuldades financeiras que vivia. Vítor Bento foi a personalidade escolhida para o liderar desde 3 de Agosto, o primeiro dia de vida do banco mas, na semana passada, apresentou a sua demissão, sendo substituído por Eduardo Stock da Cunha. Como sequência do fim do BES, a marca tinha de desaparecer, por determinação da Direcção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia. O Novo Banco foi, então, criado. Ao fim de mês e meio, tem nova identidade. O mandato da nova administração é vendê-lo o mais rapidamente possível.