Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nuno Amado: "Não há nenhuma intenção de pedir capital aos accionistas"

Depois de oito dias de fortes quedas nas acções, o presidente do Banco Comercial Português deu uma entrevista à Reuters onde diz que os "accionistas podem estar tranquilos", pois "não está a ser equacionada por nós qualquer operação relacionada com o Novo Banco que implique aumentos de capital dos nossos accionistas".

6º Nuno Amado, 772 notícias - Voltou a ser um ano agitado para o BCP, justificando o facto de Nuno Amado ser o gestor mais citado no Negócios este ano, com uma média de mais de duas notícias por dia.
Bruno Simão
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 07 de Junho de 2016 às 17:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • 31
  • ...

Nuno Amado garantiu esta terça-feira que o Banco Comercial Português não tem prevista nenhuma operação de aumento de capital, pelo que os accionistas do banco podem "podem estar tranquilos".

 

Os receios com a necessidade de aumentar capital levaram as acções do BCP a perderem um terço do valor no espaço de apenas oito sessões. No dia em que dispararam 15%, na melhor sessão em quase dois anos, o CEO do banco, Nuno Amado, garantiu à Reuters que essa operação não está a ser equacionada pelo BCP.

 

"O BCP é super disciplinado e não está a ser equacionada por nós qualquer operação relacionada com o Novo Banco que implique aumentos de capital dos nossos accionistas", disse Nuno Amado, em entrevista à Reuters.

 

De forma mais veemente, sem falar do Novo Banco, Amado realçou que "os accionistas podem estar tranquilos pois o BCP não está a considerar uma operação ou quaisquer operações que impliquem aumentos capital". 

Na entrevista à Reuters o gestor frisou que o BCP "sempre disse que iria analisar a venda do Novo Banco mas apenas porque, pela sua dimensão relativa no sistema, não lhe cabia outra alternativa, senão perceber quais as vias possíveis".


O maior banco privado português foi um dos cinco concorrentes que manifestou interesse na aquisição do Novo Banco, num processo que deverá estar concluído no final deste mês e que os analistas estimam que iria exigir um aumento de capital de cerca de 2 mil milhões de euros no BCP.

Na entrevista à Reuters são várias as frases em que o gestor descarta a emissão de novas acções: "Temos uma estratégia muito focada e disciplinada e que fique claro: não há nenhuma intenção de pedir capital aos accionistas, nem para fazer uma fusão por fusão, que até acho que não é um caminho viável, para ser sincero". 

Através de operações de aumentos de capital, os investidores colocaram no BCP cerca de 4,4 mil milhões nos últimos cinco anos, sendo que a queda das acções deixou o banco liderado por Nuno Amado a valer 1,3 mil milhões, menos 70% daquele montante.

Mesmo que o BCP não fique com o Novo Banco, a venda da instituição que resultou da resolução do BES pode ter que assumir parte das perdas com a operação, sendo que Nuno Amado lembra que o banco central já esclareceu que, nesse caso, as contribuições normais dos bancos seriam prolongadas por mais anos. "Na nossa conta de resultados, há uma contribuição extraordinária e uma contribuição normal para o Fundo de Resolução que conjugadas não devem ser muito diferentes daquela que teríamos no futuro, caso houvesse esse possível 'gap' com a venda do Novo Banco". 

cotacao Os accionistas podem estar tranquilos pois o BCP não está a considerar uma operação ou quaisquer operações que impliquem aumentos capital. Nuno Amado CEO do BCP

"Não se alterou nada até agora no banco"

 

Sobre a queda de 33% nas acções no espaço de oito sessões, Nuno Amado reconheceu que o efeito foi "preocupante e o BCP está a monitorar, mas os investidores não devem recear o BCP porque o banco está razoavelmente preparado para fazer face ao seu futuro próximo e se há uma coisa que nós temos é disciplina".

 

"Nós temos e vamos manter disciplina ao nível das receitas, dos custos - com uma evolução muito boa da margem de exploração e do cost-to-income -, mas também temos disciplina em termos de capital", adiantou.

 

"Não se alterou nada até agora no banco. A nossa capacidade de ter resultados recorrentes, de ter um cost-to-income inferior a 50% e um cost-to-core income de 53%, que poucos têm, mantêm-se", afirmou. 

Quanto à saída do MSCI Global, que motivou parte das quedas das acções, Amado espera "que a prazo voltemos a entrar nesse índice, é um objectivo que temos". O aumento de capital do Popular foi outra das razões que explica a forte pressão sobre as acções do BCP, mas Nuno Amado salienta que o banco espanhol "tem uma carteira de imobiliário muitíssimo maior do que a do BCP".

"A conjugação disto tudo fez com que tivesse havido um efeito vendedor da acção e de 'shorters' significativo. Penso que essas questões, em parte, estão ultrapassadas", disse Amado na entrevista à Reuters. 

Veja os motivos que justificaram a queda das acções do BCP:


O que está a levar à desvalorização do BCP?
A carregar o vídeo ...
Rui Barroso, jornalista do Negócios, explica a desvalorização das acções do BCP e o que está a contribuir para isso.
Ver comentários
Saber mais Nuno Amado Banco Comercial Português BCP Reuters Novo Banco acções mínimo histórico
Mais lidas
Outras Notícias