Automóvel O carro do futuro vai vender-lhe pizza

O carro do futuro vai vender-lhe pizza

Quanto mais inteligentes se tornam os carros, mais acesso terão a informação pessoal. Prepare-se para ofertas de descontos na próxima paragem num semáforo.
O carro do futuro vai vender-lhe pizza
Miguel Baltazar/Negócios
Bloomberg 25 de fevereiro de 2018 às 13:00

Imagine isto: está a regressar a casa de carro, a pensar no que vai fazer para o jantar e enquanto está parado no semáforo, perto de uma pizzaria, aparece no painel do seu carro um anúncio com um desconto de 5 dólares numa pizza de peperoni.

 

Fica irritado com o facto de o seu carro estar a tentar vender-lhe algo ou aceita com prazer a oferta? A Telenav, uma empresa que desenvolve software publicitário para carros, acha que não vai ficar chateado. As fabricantes de veículos - que tentam ganhar algum dinheiro extra - também esperam que assim seja.

 

As fabricantes de veículos instalam ligações sem fios em veículos e recolhem dados há décadas. Mas o grande volume de software e sensores nos veículos novos, conjugados com a inteligência artificial capaz de processar dados a velocidades cada vez maiores, mostra que estão a surgir novos serviços e fluxos de receita. A grande pergunta das fabricantes de veículos agora é se vão conseguir usar todos os dados dos condutores que conseguem recolher, sem perder clientes e sem arriscarem ter reacções negativas de Washington.

 

"As fabricantes reconhecem que estão numa guerra pelos dados dos clientes", disse Roger Lanctot, consultor da Strategy Analytics, que trabalha com fabricantes de automóveis na monetização de dados. "O comportamento e a localização do motorista têm um valor monetário, assim como o histórico de pesquisas desse cliente."

 

O objectivo final das fabricantes, salienta Lanctot, é construir um banco de dados das preferências dos consumidores que possa ser agregado e vendido a fornecedores externos para fins de marketing, como o Google e o Facebook fazem actualmente.

 

Troca

 

"Nós esperamos um relacionamento melhor, porque conhecemos melhor o cliente, o entendemos melhor e podemos oferecer-lhe melhores serviços", disse Don Butler, director-executivo da Ford para veículos e serviços conectados, numa entrevista em Las Vegas.

 

O potencial para partilhar dados - anónimos e personalizados - com terceiros representa a maior oportunidade, afirmou Butler, da Ford. Como a maioria dos executivos da indústria automóvel, Butler avisa rapidamente que os clientes terão a possibilidade de optar pelos serviços que exigem informações de partilha, como localização ou hábitos de direcção.

 

Se os consumidores quiserem usar estas novas funções de ligações, especialmente fazer compras enquanto dirigem ou usar aplicações para agendar corridas, terão que renunciar a parte da sua privacidade, salientou Mike Abelson, vice-presidente de estratégia da General Motors. Este responsável garantiu que actualmente a sua empresa não vende dados a terceiros. "Não estamos a considerar" esta possibilidade, revelou. Mas acrescentou: "Não quero fazer uma declaração que seja definitiva".

(Texto original: The Car of the Future Will Sell Your Data)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Spud 01.03.2018

This is craytsl clear. Thanks for taking the time!

General Ciresp 25.02.2018

Estou como diz o patego confortavel da rtp:O DIFICIL E ESCOLHER.

pub