Transportes O táxi voador do Sena pode mudar de casa

O táxi voador do Sena pode mudar de casa

A SeaBubbles tem conseguido arranjar financiamento mas as barreiras burocráticas em Paris podem pesar mais forte. Há cinco cidades alternativas à procura destes veículos amigos do ambiente.
reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters reuters
Wilson Ledo 24 de agosto de 2017 às 11:42

A vontade passa por angariar entre 50 e 100 milhões de euros até ao final de Setembro. O plano da SeaBubbles está em marcha e tem tudo para se realizar em termos de financiamento. Só uma barreira: a burocracia.

Antes de mais, é preciso explicar o conceito. Estes são táxis aquáticos sobre o rio Sena, em Paris. Estão suspensos a poucos centímetros da água e, nesse espaço, o movimento da água com a velocidade é capaz de criar energia para alimentar as baterias. Pode-se dizer que são "voadores".

Alternativa rápida e ecológica que quer contribuir para atenuar as filas de carros no centro da cidade. A ideia está no Sena desde Junho e já contou com o reconhecimento do actual presidente Emmanuel Macron, à altura ministro da Economia, e da presidente de Paris, Anne Hidalgo.

Mas, para que o negócio possa fluir, é necessário aumentar o limite de velocidade no Sena, porque com as actuais regras não é possível garantir a alimentação das baterias. Depois, os prazos da burocracia também não têm facilitado: só para registar a empresa foi preciso um mês.

"Se ficar muito complicado… vamos para onde for mais fácil", lamenta Thebault à Reuters, temendo que as barreiras restrinjam o ritmo de crescimento. Há pelo menos cinco cidades interessadas no conceito, podendo afirmar-se como uma alternativa a Paris.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI