PME OCDE defende apoio a PME para superar sequelas da crise financeira de 2008
PME

OCDE defende apoio a PME para superar sequelas da crise financeira de 2008

Os delegados dos 55 Estados que representaram as economias desenvolvidas e emergentes do mundo, a União Europeia e 12 organizações internacionais comprometem-se a apoiar e fortalecer as PME para superar as sequelas da crise de 2008.
OCDE defende apoio a PME para superar sequelas da crise financeira de 2008
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, destacou a importância que as PME têm no desenvolvimento económico.
Bloomberg
Lusa 24 de fevereiro de 2018 às 15:51

A terceira Conferência Ministerial Global de Pequenas e Médias Empresas (PME), convocada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) terminou este fim-de-semana no México e aconteceu 14 anos depois da última reunião sobre o mesmo tema.

 

Os delegados dos 55 Estados que representaram as economias desenvolvidas e emergentes do mundo, a União Europeia e 12 organizações internacionais comprometem-se a apoiar e fortalecer as PME para superar as sequelas da crise de 2008.

 

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, destacou a importância que as PME têm no desenvolvimento económico e recordou que 90% dos novos empregos que se criam nos Estados Unidos, a maior economia do mundo, provêem das PME.

 

"A crise [de 2008] deixou-nos um crescimento negativo, um desemprego alto, uma enorme e crescente desigualdade de rendimentos e oportunidades, e fez erodir a confiança; devemos recuperar a confiança dos cidadãos e recuperar o dinamismo económico", disse o líder da OCDE na conferência de imprensa que marcou o final da reunião.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub