Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pires de Lima: "O maior favor que podemos fazer à PT" é evitar interferências políticas

O ministro da Economia defendeu que a empresa precisa de um "accionista privado", resultante de um processo que espera "competitivo e transparente".

Bruno Simão/Negócios
Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 06 de Novembro de 2014 às 16:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

O ministro da Economia, António Pires de Lima, defendeu esta quinta-feira, 6 de Novembro, que "o maior favor que podemos fazer à PT" é evitar novas interferências políticas na empresa.

 

"O maior favor que podemos fazer à PT é não ter mais secretários de Estado ou ministros ou primeiros-ministros com a mania que são também administradores ou gestores da PT, metendo o nariz onde não são chamados", afirmou.

 

"Sobre esta matéria, é mesmo importante virar a página", acrescentou face aos pedidos que têm chegado para que o Governo intervenha na PT. O ministro lamentou ainda que a empresa valha "menos 10 mil milhões de euros do que em 2006", "10 mil milhões de euros de destruição de valor".

 

Na Assembleia da República, reforçou que as interferências políticas e de outros interesses privados conduziram a um "dirigismo nefasto, perverso e que se deve evitar" e que levou a empresa a "escolhas erradas", como a que diz respeito ao compromisso de dívida emitido junto da Rioforte.

 

"A empresa precisa de um accionista privado, com poder de capital, para a poder fazer crescer e desenvolver", defendeu. Caso a venda seja levada em frente, Pires de Lima espera um processo "competitivo e transparente", em que a empresa seja "altamente valorizada".

 

Durante a audição da Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública, sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2015, o ministro assegurou que o Governo está "a acompanhar" a situação da PT.

 

No início do seu discurso, Pires de Lima salientou que o Governo tem procurado demarcar-se dos "casos inexplicáveis" do Banco Espírito Santo e da PT, que "criaram algumas dificuldades na imagem do país". "Estas adversidades deixam alguma mossa", admitiu.

Ver comentários
Saber mais António Pires de Lima PT Portugal Telecom Orçamento do Estado política
Outras Notícias