Turismo & Lazer Procuram-se trabalhadores para "boom" de turismo em Portugal

Procuram-se trabalhadores para "boom" de turismo em Portugal

Para Chitra Stern, a recuperação económica de Portugal está a provocar uma consequência imprevista.
Procuram-se trabalhadores para "boom" de turismo em Portugal
Chitra Stern tem actualmente quatro hotéis em Portugal
Miguel Baltazar/Negócios
Bloomberg 10 de março de 2018 às 10:00

Quando Chitra Stern e o marido abriram o seu primeiro hotel numa pequena vila de pescadores no extremo sudoeste de Portugal em 2010, não tiveram dificuldades para encontrar trabalhadores para ajudar a geri-lo, apesar da localização remota. Visitaram algumas escolas de hotelaria, publicaram anúncios e em pouco tempo entrevistaram candidatos para o Martinhal Sagres Beach Family Resort Hotel.

 

Portugal encontrava-se, então, numa situação complicada e dezenas de hotéis estavam à beira da falência porque o país estava numa recessão, encontrar trabalhadores altamente qualificados e acessíveis era muito fácil.

 

Agora, Stern, de 47 anos, que tem quatro hotéis no país com o marido, Roman, diz que simplesmente não consegue encontrar trabalhadores portugueses qualificados.

 

"Com o boom do turismo, agora enfrentamos uma escassez de trabalhadores, não de empregos", disse Stern.

 

Portugal está a começar a preparar-se para o que poderá ser uma enorme temporada turística neste Verão boreal, e o sector começa a preocupar-se com a capacidade de lidar com o fluxo de visitantes. Já no ano passado, os hotéis de Portugal receberam um recorde de 20,6 milhões de hóspedes, cerca do dobro da população do país. Com a ajuda do boom do turismo, a economia cresceu 2,7%, o ritmo mais rápido desde 2000. O desemprego caiu para 8,1% no quarto trimestre do ano passado, o que contrasta com o recorde de 17,5% atingido em 2013.

 

Empregos básicos

 

A recuperação do mercado de trabalho foi uma boa notícia para os trabalhadores portugueses, mas alguns proprietários de hotéis depararam-se com alguma frustração quando quiseram contratar pessoal. A escassez corre o risco de abalar um sector que representa quase 17% do produto interno bruto do país e um em cada cinco empregos, de acordo com dados compilados pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo.

 

"Nós podemos conseguir administradores, mas temos dificuldade de encontrar gente para preencher os empregos mais básicos", afirmou Raul Martins, líder da Associação da Hotelaria de Portugal, que representa cerca de 600 empresas hoteleiras.

 

Martins, que também é o presidente da cadeia de hotéis Altis, estima que há um défice de cerca de 40.000 trabalhadores para hotéis. Os baixos salários podem fazer parte do problema - Portugal é o país mais barato da Europa Ocidental, depois de Malta, em termos de custos laborais por hora, de acordo com dados compilados pelo Eurostat.

 

Embora a receita hoteleira e o número de visitantes tenham atingido picos recorde, o salário líquido médio para trabalhadores de hotéis, restaurantes e profissões similares aumentou apenas 7,7% no período de 2011 a 2017, para 632 euros por mês, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística de Portugal. O salário mínimo é de 580 euros por mês. Os empregados de hotéis ganham em média 1.035 euros por mês, revelou Martins, citando um estudo da Associação da Hotelaria de Portugal.

(Texto original: Wanted: Hotel Workers to Help With Portugal’s Record Tourism Boom)




A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 11.03.2018

Onde se enfiaram os laboriosos ofertantes de factor trabalho que preencha a grande procura actual pelo mesmo nos sectores da restauração e da hotelaria em Portugal? Na AT, no ISS, nas secretarias (e não só) de hospitais, escolas públicas, autarquias, juntas de freguesia, empresas públicas etc. Isto é má alocação de factores produtivos e conduz invariavelmente ao empobrecimento, ao atraso e à falta de soberania. Isto é o Chavismo-Madurismo em acção a grassar por terras lusas. https://www.dn.pt/dinheiro/interior/restauracao-e-alojamento-querem-40-mil-trabalhadores-9023155.html

comentários mais recentes
ora 12.03.2018

1035 brutos, limpos passa a 700, 12 horas por dia, O patrão que sirva à mesa.

Alentejano 12.03.2018

hã maravilha pagar metade do salário e partilhar a casa com mais 3 rapagões! e ainda levas um banho de cultura por norma em média um é do norte com os seus carago, 1 é do leste e o 3º é Palop! Nada como partilhar a casa de banho e ter de comer fora todos os dias para apreciares a casita da mamã!

Alentejano 12.03.2018

Os 1035 que é o que eu aufiro com contrato anual são brutos não líquidos e como digo À mais de 3 anos sem casa e comida ninguém vem trabalhar para hotéis. onde os hotéis estão as casas estão de 400 euros para cima logo quem aceitar ir trabalhar nesses locais vai para 1 quarto pagar 300 euros

Anónimo 11.03.2018

Haverá mercado mais flexível que este que permite a estes "patrões" contratar pelo salário mínimo em abril para despedir em setembro? Têm falta de trabalhadores? Quando é que começam a seguir a cartilha da lei da oferta e da procura, aumentar salários e condições contratuais?

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub