Telecomunicações PS pondera mexer nas fidelizações das operadoras e telemóveis bloqueados

PS pondera mexer nas fidelizações das operadoras e telemóveis bloqueados

O grupo parlamentar do PS vai promover várias audições a entidades ligadas ao sector das telecomunicações, ponderando alterações legislativas quanto às fidelizações dos clientes às operadoras, foi hoje anunciado.
PS pondera mexer nas fidelizações das operadoras e telemóveis bloqueados
Bloomberg
Lusa 23 de fevereiro de 2018 às 14:48

"Há um conjunto de matérias que deveriam estar resolvidas com a alteração à lei feita em 2015, mas o processo não correu como devia. Deve fazer-se uma avaliação auscultando várias entidades no sentido de apurar que medidas devem ser tomadas para corrigir estas situações e proteger o consumidor", afirmou o deputado socialista Carlos Pereira, em declarações aos jornalistas, no parlamento.

 

O deputado do PS disse estarem já previstas audições a representantes da DECO (Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor), Associação de Consumidores de Portugal, ANACOM (Autoridade Nacional de Comunicações) e Associação dos Operadores de Comunicações Eletrónicas.

 

"Impõe-se uma análise à lei das comunicações electrónicas na sequência de um conjunto de reclamações recebidas, que têm a ver com as cláusulas de fidelização [dos vários contractos de serviços de telecomunicações] e bloqueios de telemóveis por parte das operadoras", exemplificou.

 

As alterações introduzidas na anterior legislatura mantiveram os prazos máximos de permanência dos serviços de telemóvel, internet, televisão ou do seu conjunto nos 24 meses, mas impuseram às operadoras de telecomunicações a apresentação de alternativas aos consumidores e a sua renovação deixou de ser automática, carecendo de consentimento expresso.

 

A legislação estipula ainda a possibilidade de alterações de tarifários sempre que haja adesão a novos serviços, além de ter reduzido os custos das rescisões de contratuais.

 

"As questões são muitas, as reclamações são muitas e, na política, estamos cá para resolver as coisas", concluiu Carlos Pereira.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
A GNR SÓ VÊ MATO NÃO VÊ LADRÕES? 24.02.2018

Liguei para a NÓS para saber quem assinou um contrato tv,net,voz por cerca de 50€, a um meu familiar(com cerca de 90anos). Disseram ninguém, pq foi por telefone!

Yalioblio 23.02.2018

Acabe-se com as fidelizações vergonhosas.

VC 23.02.2018

A partir do momento em que o consumidor tem liberdade de escolher uma oferta com ou sem fidelização, não entendo o que ainda há para discutir

Anónimo 23.02.2018

E o roubo descarado que sao as comissoes bancarias? Nao mexem porque? Medo? Ou estao a espera que os clientes recapitalizem os bancos aos poucos? Eleiçoes = voto em branco.

ver mais comentários
pub