Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PSD chama "arrependidos” ao PS, PCP e Bloco por terem fechado inquérito à CGD

O secretário-geral do PSD, José Silvano, disse este sábado que os portugueses exigem e têm a necessidade de saber "quem deve e quem aprovou" os créditos na Caixa Geral de Depósitos (CGD), defendendo a responsabilização de quem tomou as decisões.

A Caixa Leasing E Factoring destacou-se nas queixas relacionadas com o crédito aos consumidores. Foram apresentadas 1,46 reclamações por cada 1.000 contratos de financiamento.
Bruno Colaço
Negócios com Lusa 26 de Janeiro de 2019 às 18:56
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

O social-democrata José Silvano, que é secretário-geral do PSD e que pertenceu à comissão de inquérito da CGD, lembrou este sábado, 26 de janeiro, que enquanto coordenador da mesma pediu acesso a estes e outros dados, mas a comissão acabou fechada por "iniciativa do PCP, Bloco de Esquerda (BE) e PS".

 

"Pedimos a lista dos 20 maiores devedores e as decisões sobre o crédito, mas acabaram [PCP, BE, PS] com a comissão de inquérito para que esta não pudesse chegar a tempo", vincou, à margem da tomada de posse dos órgãos eleitos pela concelhia do PSD/Chaves, agora liderada por Castanheira Penas, ex-vice-presidente da câmara local.

 

José Silvano acredita que os partidos que terminaram com a comissão estão "arrependidos" dessa decisão, pois os portugueses têm a necessidade de saber quem são os devedores, mas principalmente quem decidiu esses créditos sem as garantias e as análises de risco que a CGD tinha sobre essa matéria.

 

O facto de o dinheiro da CGD ser público e de terem sido utilizados quase cinco mil milhões na sua capitalização leva o secretário-geral a reforçar a "necessidade de serem encontrados os responsáveis".

 

"As responsabilidades não têm tempo para ficarem por esclarecer. Se depois se vai recuperar todo o dinheiro dos devedores grandes tenho sérias dúvidas, mas, o importante, como o povo diz, é que o crime não compense", realçou.

 

Uma versão da auditoria da EY à CGD relativa ao período 2000-2015, com data de dezembro de 2017, refere que os administradores do banco público receberam "remuneração variável" e "voto de confiança", mesmo com resultados negativos.

 

A auditoria aponta "importantes insuficiências" organizacionais que poderão ter contribuído para decisões pouco fundamentadas na concessão de crédito e detetou sete operações de concessão de crédito com risco grave ou elevado e perdas, só nestas, de mais de mil milhões de euros, entre as quais as operações de financiamento da fábrica da La Seda de Barcelona, em Sines.

 

Ver comentários
Saber mais cgd josé silvano comissão de inquérito ey
Outras Notícias