Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PSD pressiona Costa para quebrar "silêncio ensurdecedor" sobre CGD

Os social-democratas temem a politização do banco público e querem respostas do primeiro-ministro já no debate parlamentar agendado para 15 de Junho.

Miguel Baltazar/Negócios
António Larguesa alarguesa@negocios.pt 13 de Junho de 2016 às 12:10

É uma espécie de ultimato a António Costa. O PSD colocou três dezenas de perguntas ao Governo sobre "o que verdadeiramente está em causa" na Caixa Geral de Depósitos e exige que o primeiro-ministro use as respostas como "guião da intervenção" que fará na quarta-feira, 15 de Junho, durante o debate quinzenal na Assembleia da República.

 

"Os portugueses estão perplexos com as notícias sobre a situação na CGD e a ausência de explicações por parte do Governo. A injecção de cerca de quatro mil milhões de dinheiro dos contribuintes sem qualquer justificação é algo inqualificável. (…) É muito dinheiro e o silêncio é ensurdecedor. António Costa na próxima quarta-feira não vai perder a oportunidade de dar resposta ao Parlamento e ao país", disse o deputado do PSD, Duarte Pacheco.

 

Em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, o porta-voz do grupo parlamentar sustentou que os indicadores que são conhecidos "não apontam" para a necessidade de recapitalizar o banco público nesse montante. As necessidades de financiamento indicadas pelas contas da instituição são de "cerca de metade desse valor". "Logo, tudo o resto tem de ter explicação. E essa explicação tem de ser dada aos portugueses", acrescentou.

 

Questionado pelos jornalistas sobre se o partido liderado por Pedro Passos Coelho pretende insistir numa comissão parlamentar de inquérito a este novo caso da banca portuguesa, Duarte Pacheco respondeu que "não [se pode] banalizar esse instrumento", salvaguardando, porém, que "tudo depende das respostas que António Costa der aos portugueses".

 

Os administradores e os novos salários

 

Além das questões sobre a "situação real" do maior banco português e as razões para "injectar mais [dinheiro] do que o necessário", o PSD quer saber se o plano de reestruturação que está a ser discutido com Bruxelas implica o encerramento de balcões, o despedimento de funcionários e a privatização de áreas de negócios da CGD. "E esse plano de reestruturação está a ser preparado com as pessoas da futura administração, com personalidades que ainda não são quadros da CGD, à revelia da administração que ainda está em funções?", indagou Pacheco.

 

Num ataque mais político, o maior partido da oposição quer clarificar ainda se António Costa "pretende recuperar o papel de intervir directamente no dia-a-dia da gestão da Caixa, tal como na governação socialista anterior" de José Sócrates. E deixou críticas ao aumento do número de administradores para 19 e ao diploma aprovado a 8 de Junho em Conselho de Ministros para eliminar os tectos salariais da nova equipa de gestão liderada por António Domingues.

 

"Quanto ao modelo de governação, deve haver uma razão – que o senso comum ainda não descortinou – para aumentar o número de administradores. Tal como a necessidade que o Governo encontrou para aumentar os salários da administração, quando o que o anterior tinha posto em prática [a pessoa contratada poder auferir o equivalente ao que ganhou, em média, nos três anos anteriores] já salvaguardava" o alinhamento salarial com o que é praticado no mercado.

O fim dos tectos salariais terá sido uma das imposições de Domingues para aceitar liderar o banco do Estado, fazendo também parte da equipa executiva Emídio Pinheiro, actual presidente do Banco de Fomento Angola (BFA), instituição controlada pelo BPI, onde António Domingues foi vice-presidente até 31 de Maio. A nova administração terá como vice-presidentes não executivos Leonor Beleza e Rui Vilar. Entre os não executivos estão ainda os nomes de Pedro Norton, antigo líder da Impresa, e Bernardo Trindade, ex-secretário de Estado do Turismo de Sócrates.

Ver comentários
Saber mais Caixa Geral de Depósitos banca recapitalização reestruturação banco Governo António Costa Parlamento PSD Duarte Pacheco Passos Coelho silêncio perguntas
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio