Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PT já não será integrada na Oi. Mas as operações ficam unidas

A fusão formal das entidades jurídicas PT-Oi já não será feita. No cenário inicial do acordo entre as empresas, a fusão era para finalizar com a integração da sociedade PT na nova Oi. O que já não irá ser feito, na medida em que a PT continuará com os instrumentos da Rioforte e com a opção de compra de acções da nova Oi. E pretende manter-se cotada.

Alexandra Machado amachado@negocios.pt 13 de Agosto de 2014 às 22:43
  • Assine já 1€/1 mês
  • 15
  • ...

No acordo inicial a combinação de negócios entre a PT e a Oi seria concluída com a fusão da PT na CorpCo por incorporação, com a extinção jurídica da PT SGPS. O que levariam os accionistas da PT a detentores directos de acções da CorpCo. 

 

Mas face ao novo acordo, "a PT e a Oi concluíram que não seria viável levar a cabo a derradeira etapa acima aludida: a fusão da PT". 

 

No entanto, a combinação de negócios continuará, na medida que até já foi feito o aumento de capital da Oi com a entrega dos activos da PT Portugal, que é a empresa operacional. 

 

A PT diz, no entanto, que embora não existindo a fusão, "está a ser analisada uma estrutura alternativa que visaria obter, na medida do possível, os efeitos que resultariam da fusão: a unificação das bases accionistas", pretendendo-se que "estes efeitos sejam alcançados tão brevemente quanto possível por forma a que os accionistas da PT venham, no mais curto período de tempo possível - mas sempre após a migração da CorpCo para o Novo Mercado - a ser titulares de direitos de acções da CorpCo".

 

A alternativa é a redução de capital, o que implica que as acções da CorpCo venham a ser admitidas na bolsa de Lisboa.

 

Mas a redução de capital tem de ser aprovada em nova assembleia geral. 

 

 

Ver comentários
Saber mais PT Oi fusão Rioforte
Mais lidas
Outras Notícias