Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Receitas consolidadas da WeDo decrescem 4% em 2003 (act.)

A WeDo Consulting registou uma quebra de 4% no seu volume de negócios em 2003, para um total de 22,4 milhões de euros, divulgou hoje Fernando Videira, administrador financeiro, em conferência de imprensa.

Ana Torres Pereira atp@negocios.pt 10 de Fevereiro de 2004 às 13:44
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

(actualiza com dados consolidados)

A WeDo Consulting registou uma quebra de 4% no seu volume de negócios em 2003, para um total de 22,4 milhões de euros, divulgou hoje Fernando Videira, administrador financeiro, em conferência de imprensa. A empresa justifica este decréscimo com a valorização do euro face ao dólar.

Fernando Videira explica que, com a valorização do euro face à divisa norte-americana, as suas actividades no Brasil, que representam 20% do volume de negócios global, foram afectados.

Os lucros aumentaram “em 400 mil euros, para 900 mil euros, mas o aumento da nossa rentabilidade é que foi a grande conquista”, avançou Fernando Videira.

Em termos de “cash flow”, a WeDo conseguiu melhorar a sua performance em mais milhões de euros, tendo atingido um valor positivo de 300 mil euros.

Somente face ao mercado nacional, as empresa de tecnologias registou um volume de encomendas no valor de 20,9 milhões de euros, mais 8,1% do verificado no período homólogo.

Os resultados foram impulsionados “por um decréscimo nas despesas operativas na ordem dos 5,5% e uma melhoria do ‘cash flow’ em 1,7 milhões de euros”, avança a mesma fonte.

O EBITDA ou ‘cash flow’ operacional aumentou em 1,9 milhões de euros “a par com um valor total de resultados antes de impostos de 636 mil euros”, representando um crescimento de igual volume e anulando os prejuízos registados no ano anterior, segundo o comunicado disponibilizado pela empresa.

Em 2004, a empresa espera “manter todos os rácios em terreno positivo”, segundo a mesma fonte.

Em termos de “cash flow”, a tecnológica estima duplicar, ou “pelo menos aumentar entre 30 e 40%”. As receitas “terão um crescimento relativamente moderado”, estimando que aumente cerca de 5%, enquanto os lucros registarão um aumento de 10%.

Outras Notícias