A carregar o vídeo ...
Em direto Negócios Iniciativas

Os seguros em Portugal | 8ª Edição

Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Relação de Lisboa confirma jurisdição inglesa no swap do Santander e Metro de Lisboa

O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a jurisdição dos tribunais ingleses para julgar o swap entre o Santander Totta e o Metro de Lisboa, rejeitando o recurso da Associação para a Transparência e Democracia, divulgou o banco esta quinta-feira.

Lusa 09 de Junho de 2016 às 17:55
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...

Em comunicado, o Santander Totta afirma que "o Tribunal da Relação de Lisboa considerou válida a estipulação de um pacto privativo de jurisdição a favor dos tribunais ingleses, confirmando o que a sentença de primeira instância já tinha decidido".

 

"No caso em apreço encontramo-nos perante pactos atributivos de jurisdição a favor dos tribunais ingleses, os quais têm a natureza exclusiva", lê-se na sentença, datada do dia 01, a que a agência Lusa teve hoje acesso. "Acresce que se deve, em princípio, respeitar a vontade soberana das partes contratantes que escolheu os tribunais ingleses. E esta vontade percebe-se uma vez que nos encontramos perante contratos de comércio - bancários e financeiros - internacionais", acrescenta.

 

Segundo a Relação, "aqueles tribunais estarão mais familiarizados com estes contratos e com a lei aplicável daí a escolha das partes".

 

Conforme recorda o banco, em Outubro de 2015 o Tribunal da Comarca de Lisboa rejeitou a pretensão da Associação para a Transparência e Democracia (DT), liderada pelo advogado Bernardino Duarte e com sede no Algarve, de ver declarados nulos os contratos swap (produtos financeiros associados a empréstimos bancários) celebrados entre o Santander Totta e a empresa Metropolitano de Lisboa.

 

Meses depois, em Junho de 2016, "o Tribunal da Relação de Lisboa rejeitou o recurso interposto e confirmou a decisão proferida em primeira instância. Tendo em conta que os contratos swap contêm um pacto de jurisdição que atribuía competência aos tribunais ingleses para dirimir os litígios entre as partes, o banco Santander Totta e a empresa Metropolitano de Lisboa foram novamente absolvidos", refere.

 

A decisão da Relação agora conhecida refere-se a uma das duas acções populares apresentadas pela Associação para a Transparência e Democracia.

 

Na outra acção, que visava a declaração de nulidade dos contratos de swap celebrados entre o Totta e o Metro do Porto, o Tribunal da Comarca de Lisboa "concluiu igualmente pela incompetência dos tribunais portugueses por força do pacto de jurisdição validamente celebrado ente o Banco Santander Totta e o Metro do Porto". Esta sentença, proferida em Fevereiro de 2016, não foi objecto de qualquer recurso.

 

Na decisão agora conhecida a Relação de Lisboa revoga, contudo, a sentença da primeira instância no que se refere à condenação da Associação para a Transparência e Democracia ao pagamento das custas do processo, enquanto autora da acção.

 

Reconhecendo o argumento apresentado de que a associação é "pessoa colectiva privada sem fins lucrativos, actuando exclusivamente no âmbito das suas especiais atribuições e para defender os interesses que lhe estão especialmente conferidos pelo respectivo estatuto", o tribunal declara que "a autora/apelante está isenta" de custas.

Ver comentários
Saber mais Santander Totta Tribunal da Relação de Lisboa Tribunal da Comarca de Lisboa Bernardino Duarte Totta política swaps Metro de Lisboa
Outras Notícias