Empresas Resultado líquido da Euronext aumentou 22,5% no ano passado

Resultado líquido da Euronext aumentou 22,5% no ano passado

As receitas da Euronext subiram 7,2% no ano passado para 532,3 milhões de euros. Já o resultado líquido do grupo que agrega várias praças europeias cresceu 22,5% para 241,3 milhões de euros.
Resultado líquido da Euronext aumentou 22,5% no ano passado
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 19 de fevereiro de 2018 às 08:24

Os resultados da Euronext, grupo que detém várias bolsas europeias, subiram no ano passado. O resultado líquido (Net income, share of the Group) subiu no ano passado 22,5% face a 2016 para 241,3 milhões de euros, algo que, de acordo com o comunicado presente no site da CMVM, deve-se ao bom desempenho operacional, aos ganhos de capital e impostos não recorrentes no último trimestre do ano passado.

As receitas da empresa aumentaram 7,2% para 532,3 milhões de euros. O EBITDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) expandiu 4,9% para 297,8 milhões de euros. A margem de EBITDA diminui 1,2 pontos para 55,9%.

Stéphane Boujnah, CEO da Euronext, sublinhou em comunicado que "2017 foi um ano forte com etapas fundamentais a serem alcançadas pela Euronext". Boujnah defende ainda que os "fortes resultados" divulgados esta manhã "mostram um portefólio de crescimento e fortalecimento e uma Euronext profundamente transformada".

"A nossa confiança é forte para os próximos dois anos. As receitas do negócio principal devem crescer em linha com as previsões e vai continuar a disciplina de controlo de custos para assegurar que uma margem de EBITDA entre 61% e 63% é alcançada em 2019, excluindo ‘clearing activities’", acrescentou.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Apoiar reforma da supervisão financeira 19.02.2018

1-Agradece-se e felicita-se a CMVM pela informação prestada no seu site relativamente aos resultados das bolsas, para os seus acionistas.
2-Aproveita-se para sugerir que:
Em período em que se está a discutir a reforma da supervisão em Portugal,
nomeadamente também a supervisão do Mercado de Capitais,
seria extremamente útil que a CMVM publicasse no seu site
elementos sobre as suas congéneres de outros países,
em termos de despesas, efetivos de pessoal, número de empresas supervisionadas, indicadores do aumento de literacia financeira,
grau de confiança dos investidores nos bancos em geral e nos supervisores em particular, das margens de lucro dos intermediários financeiros em diferentes países,
do nível de transparência em relação à divulgação de riscos,
da variedade da gama de oferta,
das rendibilidades médias oferecidas pelos produtos de investimento etc., etc.
3-A divulgação de tais elementos não deixariam de ser contributo válido para a aguardada próxima reforma da supervisão.

comentários mais recentes
Apoiar reforma da supervisão financeira 19.02.2018

1-Agradece-se e felicita-se a CMVM pela informação prestada no seu site relativamente aos resultados das bolsas, para os seus acionistas.
2-Aproveita-se para sugerir que:
Em período em que se está a discutir a reforma da supervisão em Portugal,
nomeadamente também a supervisão do Mercado de Capitais,
seria extremamente útil que a CMVM publicasse no seu site
elementos sobre as suas congéneres de outros países,
em termos de despesas, efetivos de pessoal, número de empresas supervisionadas, indicadores do aumento de literacia financeira,
grau de confiança dos investidores nos bancos em geral e nos supervisores em particular, das margens de lucro dos intermediários financeiros em diferentes países,
do nível de transparência em relação à divulgação de riscos,
da variedade da gama de oferta,
das rendibilidades médias oferecidas pelos produtos de investimento etc., etc.
3-A divulgação de tais elementos não deixariam de ser contributo válido para a aguardada próxima reforma da supervisão.

Saber mais e Alertas
pub