Banca & Finanças Rui Vilar também prescindiu de receber senhas de presença

Rui Vilar também prescindiu de receber senhas de presença

Além de ter abdicado do vencimento a que tinha direito, Rui Vilar também prescindiu de receber as senhas de presença pela participação em reuniões da comissão de auditoria da Caixa. Pelas regras europeias, o actual “chairman” da CGD pode vir a ser obrigado a receber remunerações.
Rui Vilar também prescindiu de receber senhas de presença
Paulo Duarte/Negócios
Maria João Gago 03 de maio de 2017 às 11:19

Rui Vilar também prescindiu dos 4.900 euros de senhas de presença a que tinha direito por cada reunião da comissão de auditoria e de controlo interno a que presidiu nos meses da liderança de António Domingues na CGD, em 2016.

 

De acordo com o relatório e contas da instituição, o administrador tinha direito àquele montante relativo a senhas de presença na reunião. No entanto, segundo fonte oficial da Caixa, Vilar prescindiu daquele valor, informação que não está especificada no documento de contas.

 

O banqueiro tinha ainda direito a receber um vencimento de 3.500 euros brutos por mês, pago 14 vezes, mas também prescindiu desta remuneração, como está explicitado no relatório e contas. Segundo este documento, o gestor é pensionista da Caixa Geral de Aposentações e do Centro Nacional de Pensões, tendo auferido um total de 273,8 mil euros de pensões em 2015, de acordo com a informação disponibilizada pelo próprio ao Tribunal Constitucional.

 

Como justificou o próprio Rui Vilar publicamente, a decisão de abdicar de qualquer remuneração na CGD  foi tomada na altura em que aceitou integrar a equipa de administração "por serviço público" e "na condição de não receber vencimento".

 

No entanto, pelas regras europeias em vigor desde Janeiro, Rui Vilar pode vir a ser obrigado a receber todas as remunerações a que tem direito na Caixa, tal como o Negócios noticiou. 



Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI