Agricultura e Pescas Seca leva à pior campanha de cereais dos últimos 100 anos

Seca leva à pior campanha de cereais dos últimos 100 anos

O mês de Janeiro continuou a ser seco, o que levou a problemas na campanha agrícola. A produção da azeitona é das poucas que se destaca pela positiva.
Seca leva à pior campanha de cereais dos últimos 100 anos
Negócios 20 de fevereiro de 2018 às 11:37
"O mês de Janeiro caracterizou-se, em termos meteorológicos, como quente e seco", destaca o Instituto Nacional de Estatística (INE). Este contexto está a provocar problemas na campanha agrícola. 

As previsões publicadas esta terça-feira, 20 de Fevereiro, revelam que a campanha de cereais de pragana (grão) será "a pior dos últimos 100 anos", registando-se "uma diminuição generalizada das áreas destas culturas face à campanha anterior, que se estima de 5% no centeio e na aveia, de 10% no trigo mole, no triticale e na cevada e de 15% no trigo duro", adianta a mesma fonte.

A área instalada nos cereais de outono/inverno deverá descer pelo quinto ano consecutivo, "prevendo-se que nesta campanha se atinja um mínimo histórico de 121 mil hectares, a menor área dos últimos cem anos (desde que existem registos sistemáticos)".

Os dados agora publicados revelam ainda que, a pouca precipitação leva a que se mantenham "dificuldade de abeberamento dos efectivos animais", estando agora a ser equacionadas "opções de realização de culturas alternativas, com menores necessidades hídricas."

"O valor médio da temperatura média do ar (9,0ºC) foi superior à normal em 0,2ºC e a quantidade de precipitação foi cerca de 65% da normal, concentrada na primeira quinzena, sendo o décimo mês consecutivo com valores de precipitação inferiores à normal climatológica (média 1971-2000)", destaca o INE.

Pela positiva, destaque para a campanha oleíca, prevendo-se que a produção de azeitona aumente 25% face à campanha anterior "e 11% acima da média do último quinquénio".



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Francisco António 20.02.2018

Se ainda hoje as estatísticas não são fiáveis...imaginemos como eram há 100 anos. Artigo para ajudar os cardíacos a deixar o estatuto de pensionistas...

Anónimo 20.02.2018

As árvores, a floresta, conseguem criar um clima com chuva. Queimaram as nossas florestas, agora vai ser mais difícil o regresso da água. A solução centrais de dessalinização á beira mar.

johnny 20.02.2018

O califado da lusitania com camelos, tâmaras e burkas já não deve tardar

Anónimo 20.02.2018

Só se deve produzir d acordo c recursos previsíveis ,n tem nada q saber.A dessalinização como em Espanha já deveria tar instalada. É a solução ,n há outra É preciso ser pragmático mas prefere-se em detrimento da economia perder tempo com eutanásia,casamentos nao hétero,assedio etc.mediocricidade?

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub