Agricultura e Pescas Seca: Produtores do nordeste algarvio estão endividados e reclamam medidas

Seca: Produtores do nordeste algarvio estão endividados e reclamam medidas

Os produtores do nordeste algarvio, no distrito de Faro, reclamam medidas urgentes do Governo para enfrentar a seca e dizem que a falta de água naquele território está a fazer com que muitos fiquem endividados.
Seca: Produtores do nordeste algarvio estão endividados e reclamam medidas
Lusa 24 de fevereiro de 2018 às 10:46

A falta de água no nordeste algarvio está já a asfixiar financeiramente os produtores locais, que reclamam medidas urgentes do Governo para enfrentar a seca.

 

"Estamos muito perto da fronteira, ao lado do Alentejo, temos exactamente o mesmo clima, ou pior, mas medidas diferentes", queixou-se à Lusa Valter Luz, vice-presidente da Cumeadas, Associação de Produtores do Nordeste Algarvio.

 

A Cumeadas, que reúne 400 associados, vai fazer uma exposição ao Governo a pedir uma nova medida de apoio aos produtores agrícolas daquele território, ou, em alternativa, que a medida aberta há um ano tenha uma majoração de 80% e não de 50%.

 

O Governo alargou aos concelhos de Alcoutim e Castro Marim as Medidas Seca 2017, que previam apoios até 50% para o transporte, captação e armazenamento de água para pequenas explorações agrícolas, contudo, a medida fechou com uma taxa de execução de apenas 10%.

 

"A medida não foi atractiva porque os empresários agrícolas estão endividados devido ao aumento exponencial dos custos de produção. Como não há pastagem, o gado tem que ser alimentado com ração", ilustrou, acrescentando que se trata de uma questão "de sobrevivência".

 

Valter Luz defende, por isso, que o Governo, com a verba que ficou cativa e não foi utilizada, "dê uma maior majoração no subsídio à medida que contempla as pequenas explorações", que permita aos produtores a construção de charcas, a realização de furos ou o transporte de água.

 

Aquele responsável reconhece que é no Alentejo que existem as grandes explorações agrícolas, com um grande peso na economia, mas considera que o nordeste algarvio, onde os efeitos da seca são visíveis nas culturas e na alimentação para os animais, não pode ser esquecido.

 

Segundo Valter Luz, a construção de uma nova barragem seria "a melhor solução", mas enquanto isso não acontece, é "urgente que o Governo tome atenção a estas pequenas medidas, que vão resolvendo o problema, localmente, nas explorações".

 

Caso não haja medidas urgentes, as consequências podem ir desde a morte de animais e de árvores ao "comprometimento sério" do desenvolvimento de plantas.

 

"O que se prevê para a Península Ibérica é que as culturas de sequeiro, com as alterações climáticas, vão tendencialmente desaparecer e toda a agricultura ou passa a ser de regadio, ou acaba", concluiu.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 24.02.2018

Se há seca para que serve a barragem? Não havendo água o que armazenará?

Anónimo 24.02.2018

O Verdadeiro Problema não é a Seca porque seca sempre existiu no mundo e vai continuar a existir o problema existe quando não se está a frente da seca.
Existe Mar ! façam estações de desçalinização com pipeline até as barragens de modo a que estejam sempre cheias produzem electricidade e para rega.

Saber mais e Alertas
pub