Telecomunicações Serviços de streaming aumentam subscrições. Canais premium perdem assinantes

Serviços de streaming aumentam subscrições. Canais premium perdem assinantes

No terceiro trimestre o número de subscritores de TV paga cresceu 3,2% para 3,8 milhões. Os assinantes de serviços de streaming, como o Netflix, aumentaram para 5,5% enquanto a subscrição de canais premium recuou.
Serviços de streaming aumentam subscrições. Canais premium perdem assinantes
DR
Sara Ribeiro 11 de dezembro de 2017 às 13:22

No final de Setembro havia 3,8 milhões de assinantes de televisão paga em Portugal, um aumento de 33 mil clientes face ao trimestre anterior e mais 116 mil do que no período homólogo, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira, 11 de Dezembro, pela Anacom.

O crescimento deste serviço deve-se, em grande maioria, às ofertas suportadas em fibra óptica, "cujo número de subscritores aumentou 27,3% face ao período homólogo, o que corresponde a mais 269 mil novos clientes", detalha o regulador do sector de telecomunicações.

Do total dos clientes de televisão por subscrição a Anacom estima que 93,6% sejam assinantes deste serviço no âmbito de um pacote, um aumento de 8,2% face ao terceiro trimestre de 2016.

No que toca à quota de mercado, a Nos continua a liderar com 43% do total de assinantes, seguindo-se a Meo com 38,1%, a Vodafone com 14% e a Nowo com 4,7% - a mesma quota de mercado registada no período homólogo. A Vodafone foi o único operador que aumentou o número de clientes no terceiro trimestre deste ano.

Os serviços de streaming on demand, como o Netflix, Fox Play, NPlay (da Nos) ou Amazon Prime Video, continuam a atrair a atenção dos portugueses. No final de Setembro, 5,5% dos residentes em Portugal com 10 ou mais anos tinham aderido pelo menos a um destes serviços, o que traduz uma subida de 2,3 pontos percentuais face ao período homólogo.

Pelo contrário, os canais premium, têm perdido assinantes. No mesmo período, cerca de 15,5% dos lares com serviço TV paga tinham acesso a canais premium - uma diminuição de 0,7 pontos percentuais face ao período homólogo.

De Julho a Setembro as receitas totais do serviço de televisão por subscrição totalizaram 1,4 milhões de euros, mais 4,7% do que o valor registado no período homólogo.