Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Sete investimentos de 391 milhões criam 406 novos empregos

Paulo Portas anunciou esta terça-feira sete novos projectos de investimento, que totalizam 391,2 milhões de euros e garantem um total de 1.784 postos de trabalho (sendo 406 novos). A Sonae Indústria é uma das empresas. Conheça as outras e os locais onde vão ser efectuados.

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 40
  • ...

O vice-primeiro-ministro apresentou esta terça-feira, 17 de Junho, um conjunto de sete projectos de investimento que foram aprovados na última reunião do Conselho de Ministros e representam o "maior pacote de investimento dos últimos três anos".

 

De acordo com a apresentação de Paulo Portas, estes sete projectos envolvem um investimento de 391,2 milhões de euros e permitem manter 1.378 postos de trabalho, criar 406 novos postos de trabalho directos e 60 postos de trabalhos indirectos.

 

Entre os sete projectos de investimento anunciados, seis são industriais e um no sector mineiro, sendo que o Governo destaca que a "forte disseminação geográfica" e "aposta em concelhos do interior".

 

Luso Finsa, Almina, Atlantikfuror, Brieftime, Sonae Indústria, Aaditya Intern. e AMS-Br Star Paper são as sete empresas responsáveis pelos investimentos, que estão localizados nas seguintes localidades: Nelas, Aljustrel, Sines, Samora Correia, Oliveira do Hospital, Idanha-a-Nova e Tomar, Vila Velha de Ródão.

 

O maior investimento é da responsabilidade da Atlantikfuror, que vai aplicar 226,4 milhões de euros em Sines, na criação de uma base de operações de off­shore shipping (para o mercado externo). Este investimento é também aquele que permite criar mais postos de trabalho (150).

 

O segundo é o único do sector mineiro, com a Almina a aplicar 44,98 milhões de euros em Aljustrel, no aumento da capacidade de extracção e processamento em 20% e no aumento da taxa de recuperação de Cobre contido no minério.

 

O projecto da Sonae Indústria é de reduzido investimento (6,88 milhões de euros), embora seja o que permite manter o maior número de postos de trabalho (581).

 

"Os investidores merecem um sim ou um não"

 

Durante a cerimónia de divulgação dos novos contratos que decorreu no Palácio das Laranjeiras, o vice-primeiro-ministro salientou ainda que no ano passado e este ano o Governo lançou um pacote de medidas de incentivos às empresas (novo código do IRC, aposta nos incentivos contratuais e o renovado código fiscal de investimento) que, na óptica de Paulo Portas, foi o rastilho para que comecem a ser visíveis os primeiros sinais de retoma do investimento no país.

 

"No último trimestre do ano passado a subida foi de 9,7%, e até Março deste ano o crescimento foi de 11,2%", apontou Paulo Portas. "Este, no meu entender, é o sinal mais importante que a economia está a dar", acrescentou.

 

Portas prometeu ainda que este ano pela primeira vez não haverá quebras nos apoios às empresas no período entre quadros comunitários. "O que até aqui sucedia era que havia um tempo demasiado longo em que as empresas não sabiam o que fazer, e como o fazer. Mas este Governo tomou providências para que isso não sucedesse", prometeu o governante.

 

A questão da burocracia, da celeridade dos processos e do tratamentos aos investidores foi também abordada pelo vice-primeiro-ministro. "Um investidor tem o direito de receber um sim ou um não, porque é ele que está a querer investir em Portugal", sublinhou durante o evento em que estiveram três membros do Governo (além de Portas, marcaram presença o secretário de Estado do Investimento, Pedro Gonçalves, e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio).

 

O momento foi ainda aproveitado para fazer um balanço dos três anos de Governo PSD/CDS no que ao investimento diz respeito. O valor captado neste período foi de 1.607 milhões de euros, que receberam incentivos fiscais no valor de 158 milhões, ou seja, cerca de 10% do total.

 

No último triénio foram criados 2.351 postos de trabalho no âmbito destes projectos. Os investidores estrangeiros tiveram maior preponderância, representando 56% do valor dos investimentos.

 
Os sete projectos de investimento

Empresa: Luso Finsa

Sector: Transformação de madeira

Localização: Nelas

Investimento: 37,6 milhões

Novos postos de trabalho: 35

Total de postos de trabalho: 376

 

Empresa: Almina

Sector: Minas

Localização: Aljustrel

Investimento: 44,98 milhões de euros

Novos postos de trabalho: 20

Total de postos de trabalho: 357

 

Empresa: Atlantikfuror

Sector: Serviços de off­shore shipping - prospecção, exploração e operações de reservas petrolífera e gás natural

Localização: Sines

Investimento: 226,4 milhões de euros

Novos postos de trabalho: 150

Total de postos de trabalho: 150

 

Empresa: Brieftime

Sector: Fabricação de produtos alimentares

Localização: Samora Correia

Investimento: 4,1 milhões de euros

Novos postos de trabalho: 30

Total de postos de trabalho: 30

 

Empresa: Sonae Indústria

Sector: Transformação de madeira

Localização: Oliveira do Hospital

Investimento: 6,88 milhões

Novos postos de trabalho: 2

Total de postos de trabalho: 583

 

Empresa: Aaditya Intern.

Sector: Fabricação de álcool etílico de fermentação

Localização: Idanha-a-Nova e Tomar

Investimento: 31,8 milhões de euros

Novos postos de trabalho: 98

Total de postos de trabalho: 99

 

Empresa: AMS-Br Star Paper

Sector: Fabricação de papel e cartão

Localização: Vila Velha de Ródão

Investimento: 39,2

Novos postos de trabalho: 71

Total de postos de trabalho: 189

(Notícia actualizada às 18h12 com as declarações de Paulo Portas durante o evento) 

Ver comentários
Saber mais Conselho de Ministros Paulo Portas Luso Finsa Sonae Indústria Aaditya Intern AMS-Br Star Paper Aljustrel Sines Samora Correia Oliveira do Hospital Tomar Vila Velha de Ródão
Outras Notícias