Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Sindicatos vão avançar com "todas as acções" para impedir venda da TAP

Quatro sindicatos que dizem representar mais de 80% dos trabalhadores do Grupo TAP lançaram esta sexta-feira uma declaração conjunta na qual se comprometem a lançar "todas as acções" necessárias para impedir a privatização da transportadora aérea.

Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de Maio de 2015 às 19:42
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

"Juntam-se os sindicatos signatários no firme propósito de levar à prática todas as acções consideradas necessárias para que esta privatização não seja levada a cabo, tal como é vontade também da grande maioria dos trabalhadores da TAP e do povo português, e manter a TAP pública ao serviço do país e da economia nacional", lê-se no documento a que a agência Lusa teve acesso.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) e o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), que são os signatários desta declaração, não especificam quais as iniciativas que poderão ser concretizadas.

 

Estas estruturas sindicais vêm assim "reafirmar a sua determinação em se opor ao processo de privatização em curso que, a concretizar-se, seria fatal para a TAP, para o país e para a economia nacional e manifestam hoje, como sempre têm feito, total disponibilidade para demonstrar as várias alternativas existentes a este processo de privatização".

 

E destacam a sua vontade de "exigir ao Governo e ao Conselho de Administração o fim da discriminação e o cumprimento dos respectivos Acordos de Empresa, no respeito pela Lei, e apelar à opinião pública e ao povo português para que se una de modo a parar, enquanto ainda é tempo, esta insensatez do Governo, que seria a entrega do Grupo TAP a uma entidade que seguramente o vai desmantelar, empobrecendo assim o país".

 

Na declaração conjunta, os sindicatos consideram que "a situação social e financeira" da companhia resulta das "opções tomadas pelos vários governos que se têm sucedido ao longo dos últimos anos" e acusam a própria equipa de gestão liderada por Fernando Pinto de nunca ter levado em consideração os sucessivos alertas e apelos dos sindicatos e de estar a infligir "sucessivas perdas à TAP, que a conduziram para a difícil situação em que se encontra".

 

Mesmo sublinhando que "pouco se conhece das propostas de compra do capital social do Grupo TAP, dado o secretismo que o Governo está a impor neste processo de 'contra relógio' implementado", dizem que o mesmo "parece encaminhar-se para um desastroso epílogo que terá como consequência a destruição da TAP".

 

Os sindicatos exigem que o accionista único, o Estado português, assuma "as responsabilidades e a rápida resolução da situação do ruinoso negócio do Brasil, de modo a acabar com esse sorvedouro de recursos - já com mais de 500 milhões de euros de perdas acumuladas - que está a estrangular financeiramente todo o Grupo TAP, descapitalizando-o".

 

Já o processo de privatização em curso é apelidado de "insensato", pelo que os signatários apelam ao Governo para que reconsidere a sua decisão e suspenda "de imediato" a venda.

 

O Governo decidiu na quinta-feira em Conselho de Ministros passar dois candidatos à compra da TAP à fase de negociação, afastando o consórcio de Miguel Pais do Amaral e continuando a negociar com Gérman Efromovich e David Neeleman.

 

O Conselho de Ministros decidiu mandatar os secretários de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, e do Tesouro, Isabel Castelo Branco, para avançar com as negociações junto dos outros dois consórcios, sempre com a Parpública incluída.

 

A proposta de Gérman Efromovich, dono da operadora aérea Avianca e do grupo Synergy, inclui a entrega de 12 novos aviões Airbus após a transferência das acções da companhia e a renovação da frota da Portugália com aviões Embraer até 2016, sendo que o empresário propõe recapitalizar a empresa em 250 milhões de euros, segundo informações avançadas pela imprensa.

 

David Neeleman, patrão da companhia aérea brasileira Azul e que está em parceria com Humberto Pedrosa, do grupo Barraqueiro, promete reforçar a TAP com 53 novos aviões e investir 350 milhões de euros.

 

Já Miguel Pais do Amaral, através da Quifel, prometia manter a estratégia da administração de Fernando Pinto, com a compra dos 12 Airbus 350 já encomendados pela TAP e uma injecção de capital de 325 milhões de euros. 

 

(notícia actualizada às 20h33)

Ver comentários
Saber mais TAP Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos aviação transportes
Outras Notícias