Indústria Sonae investiu 105 milhões em inovação no retalho em 2017

Sonae investiu 105 milhões em inovação no retalho em 2017

O grupo co-liderado por Paulo Azevedo e Ângelo Paupério investiu em 2017 mais 2% em inovação, investigação e desenvolvimento no retalho do que no ano anterior, num total de mais de 660 projectos a nível mundial.
Sonae investiu 105 milhões em inovação no retalho em 2017
Paulo Azevedo e Ângelo Paupério co-lideram o grupo Sonae.
Ricardo Castelo
Rui Neves 14 de março de 2018 às 15:02

O investimento da Sonae em inovação, investigação e desenvolvimento no retalho terá atingido os 105 milhões de euros no ano passado, o que representou um crescimento de cerca de 2% face ao ano anterior e 0,34% das vendas dos negócios de retalho do grupo no último exercício.

"A Sonae reforçou a sua aposta estratégica na inovação ao longo de 2017, tendo desenvolvido mais de 660 projectos a nível mundial, que estão a contribuir para melhorar a vida das pessoas e para solidificar a posição de liderança no sector do retalho", enfatiza o grupo co-liderado por Paulo Azevedo e Ângelo Paupério, em comunicado.

 

Estes dados constam do "Livro de Inovação do Retalho 2017", relatório que é editado pelo nono ano consecutivo e que a Sonae classifica como "pioneiro no sector empresarial a nível mundial".

O grupo da Maia sublinha que "prosseguiu com a sua estratégia de inovação aberta, trabalhando com 423 parceiros em 30 países de quatro continentes", entre os quais estão universidades, centros de investigação e desenvolvimento, empresas, startups, incubadoras e aceleradoras, fornecedores e instituições das mais variadas áreas.


Neste "compromisso com a inovação" estiveram "envolvidos directamente 2.265 colaboradores a tempo integral durante o ano de 2017", garante a Sonae.

Segundo o "Livro de Inovação no Retalho 2017", o valor presente líquido dos projectos desenvolvidos na Sonae "é estimado em mais de 150 milhões de euros".

"A inovação é um dos pilares da estratégia da Sonae, pois permite-nos cumprir a missão de melhorar a vida das pessoas. As nossas equipas, em conjunto com a sua vasta rede de parceiros a nível mundial, trabalham todo os dias para antecipar e responder às necessidades dos clientes, criando novos produtos, serviços e soluções, mas também procurando novas formas de fazer as suas funções de modo mais fácil e eficaz", enfatiza Nuno Lopes Gama, Head of Innovation and Future Tech da Sonae.

Das 80 inovações que constam do relatório, que foram desenvolvidas e implementadas pelas insígnias de retalho da Sonae, estão projetos como o Transformar.te, do Continente (que luta contra o desperdício alimentar e que "gerou três milhões de euros em benefícios económicos e nove milhões de euros em benefícios sociais"); o Winners, da Worten (que "resultou num aumento das vendas de 1% e diminuiu a percentagem de colaboradores menos motivados em 45%"); e o "Jindo Burel", da Berg ("uma sapatilha inovadora e ecológica composta por materiais 100% naturais, recicláveis e autóctones como o burel e a cortiça").

 

Há um ano, a 16 de Março de 2017, Paulo Azevedo, chairman e co-CEO da Sonae, chegou à apresentação de contas anuais do grupo calçado precisamente com estas sapatilhas da Berg. "São um bocadinho quentes", admitiu então o empresário.



(Notícia actualizada às 15h12)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
SONAE , a investir? e o dinheiro? 14.03.2018

Investe com dinheiro dos bancos, mais divida, os acionistas que se lixem , ainda bem que não tenho ações desta família , que estão todos falidos, até a SONAE SIERRA teve prejuízos de mais 35%, a Sonae Capital paga o dobro dos lucros em dividendos, e depois baixa a cotação, porca miséria, fugir,

pub