Empresas Sonae Sierra vende metade do negócio no Brasil por 119 milhões

Sonae Sierra vende metade do negócio no Brasil por 119 milhões

A Sonae SGPS anunciou hoje que a Sonae Sierra chegou a acordo para vender, à Developers Diversified, metade do capital da sua participada brasileira por 118 milhões de euros, valor que será utilizado na expansão da companhia no Brasil, em conjunto com o n
Nuno Carregueiro 20 de outubro de 2006 às 22:01

A Sonae SGPS anunciou hoje que a Sonae Sierra chegou a acordo para vender, à Developers Diversified, metade do capital da sua participada brasileira por 118 milhões de euros, valor que será utilizado na expansão da companhia no Brasil, em conjunto com o novo parceiro norte-americano.

A Sonae Sierra alienou 50% do capital da Sonae Sierra Brazil à Developers Diversified, uma empresa norte-americana cotada na bolsa de Nova Iorque, por 150 milhões de dólares, que corresponde a 118,8 milhões de euros ao câmbio de 30 de Setembro. A empresa estima que vá obter uma mais valia de 16 milhões de euros com este negócio.

Contudo, o encaixe da transacção será reinvestido no negócio imobiliário no Brasil. A Sonae Sierra e a Developers Diversified acordaram em cada uma delas contribuir com cerca de 150 milhões de dólares, para através da nova parceria, investir "aproximadamente 300 milhões de dólares em aquisições e, ou, novos projectos no Brasil durante os próximos três anos".

A Sonae Sierra Brazil passará assim a ser a "plataforma de ambos os accionistas para o futuro investimento, promoção e gestão de centros comerciais e de lazer no Brasil". A Sonae acrescenta que este negócio "não traz qualquer alteração à estratégia e organização da Sonae Sierra Brazil a qual continuará a ter uma estrutura accionista estável e sólida".

A Sonae Sierra Barzil, segundo uma apresentação ao negócio da empresa norte-americana, é a segunda maior do Brasil na sua área de negócio, controlando nove centros comerciais, incluindo o maior da América do Sul.

A Developers Diversified explica que escolheu a Sonae Sierra porque é "um forte parceiro" e com "provas dadas" neste negócio no Brasil e na Europa.

Apesar de representar uma venda, este negócio difere do efectuado o ano passado, quando a Sonae alienou a actividade de retalho no Brasil, aos norte-americanos da Wal-Mart.

A Sonae Sierra também já tem reflectida na sua estrutura accionista este modelo de parcerias. No final do ano passado a Sonae SGPS anunciou a venda de 17,04% do capital da Sonae Sierra, por 218 milhões de euros, passando a controlar 50% do capital da companhia que gere os centros comerciais da empresa de Belmiro de Azevedo. A venda foi efectuada à Grosvenor, que controla os restantes 50%.