Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Supermercados da Sonae mantêm quarto lugar no «ranking» brasileiro

A cadeia de supermercados da Sonae Distribuição no Brasil manteve, em 2003, o quarto lugar no «ranking» elaborado pela revista «Supermercado Moderno» e em linha com a pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados.

Bárbara Leite 21 de Abril de 2004 às 08:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A cadeia de supermercados da Sonae Distribuição no Brasil manteve, em 2003, o quarto lugar no «ranking» elaborado pela revista «Supermercado Moderno» e em linha com a pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados.

Segundo o estudo, que abrange 36 cadeias de supermercados ou 80% do mercado brasileiro, as receitas subiram 15% face a 2002 para os 90 mil milhões de reais (25,77 mil milhões de reais).

O segmento de supermercados da Sonae voltaram a assumir o quarto lugar no «ranking» em termos de facturação. O grupo que conta 143 estabelecimentos com as marcas Mercadona, Nacional, Cândia, entre outras, nesta área atingiu, de acordo com o estudo, uma facturação de 3,73 mil milhões de reais (1,06 mil milhões de euros), em 2003, mais 11,7% do que no ano anterior.

A Companhia Brasileira de Distribuição, «holding» do grupo Pão de Açúcar, com 446 lojas garantiu o primeiro lugar com 12,4 mil milhões de reais (3,5 mil milhões de euros), mais 15% do que em 2002.

Em segundo lugar, aparecem os supermercados do Carrefour com uma facturação de 11 mil milhões de reais (3,14 mil milhões de euros), o que traduz um crescimento de 9,5% face a 2002 e o Bompreço que agora faz parte do grupo Wal- Mart atingiu 3,7 mil milhões de reais (1,05 mil milhões de euros) em 2003.

Segundo Robert Macody Lund, presidente da Informa, editora da «Supermercado Moderno», citado pela Folha de São Paulo, «o desafio do varejo [distribuição], durante todo o ano, foi minimizar a queda das vendas, com medidas para elevar o tráfego e manter o tíquete médio. Neste ramo, a competição se dá de loja para loja, e não entre empresas». O volume de vendas caiu 5%, mas a subida dos preços compensou esta quebra.

*Correspondente em São Paulo

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias