Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Antonoaldo: "Não espero nada menos do que uma Comissão Europeia extremamente dura com a TAP"

O presidente executivo da TAP afirma que o processo de recuperação em que a TAP se encontrava antes da pandemia vai ajudar a companhia aérea nas negociações com Bruxelas.

Rafaela Burd Relvas rafaelarelvas@negocios.pt 23 de Junho de 2020 às 11:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
A TAP registou prejuízos em 2019, mas o presidente executivo garante que a companhia aérea nacional estava em recuperação no período anterior à pandemia, com o aumento do número de rotas e de passageiros e a redução da dívida garantida pelo Estado, e acredita que esse cenário vai "ajudar" nas negociações, para a aprovação do plano de reestruturação que a empresa terá de implementar, com a Comissão Europeia, que será "extremamente dura".

Antonoaldo Neves está a ser ouvido esta terça-feira, 23 de junho, na Assembleia da República, numa audição requerida pelo PS e pelo PSD para discutir o plano de rotas que foi apresentado pela TAP no mês passado, e que mereceu contestação de várias partes por concentrar a quase totalidade dos voos em Lisboa.

"A empresa estava num processo de recuperação e isso vai ajudar-nos muito quando começarem as negociações com a Bruxelas", afirmou Antonoaldo Neves, na comissão parlamentar de economia e obras públicas.

A título de exemplo, Antonoaldo Neves notou que o número de passageiros da TAP aumentou de 10,6 milhões em 2015, quando foi iniciado o atual plano estratégico da companhia aérea, para 17,1 milhões em 2019, um aumento superior a 61%. Ao mesmo tempo, neste período, o número de voos cresceram de 110 mil para 137 mil. Ainda assim, recorde-se, a TAP reportou prejuízos de 106 milhões de euros em 2019, justificados com a compra de aviões e os constrangimentos no aeroporto de Lisboa.

As negociações com Bruxelas, apontou ainda, não serão fáceis. "Não espero nada menos do que uma Comissão Europeia extremamente dura com a TAP", sublinhou.

As declarações do presidente executivo da TAP surgem depois de a Comissão Europeia ter dado autorização a Portugal para avançar com um auxílio estatal à companhia aérea no valor máximo de 1,2 mil milhões de euros, que assume a forma de um empréstimo de emergência. Para receber este apoio, a TAP tem um prazo de seis meses para elaborar um plano de reestruturação que assegure o seu futuro, que terá de ser aprovado por Bruxelas.

Quanto a este empréstimo, que foi contestado em tribunal pela Associação Comercial do Porto, Antonoaldo Neves salientou que "é muito importante o país unir-se ao redor do plano futuro da TAP", que enfrenta um "desafio muito grande e global". "Se somarmos todas as anteriores crises no setor da aviação, não teríamos uma como esta", resumiu.

Maior preocupação é voar para mercados "que não queimem caixa"

Sobre o plano de rotas que foi apresentado no mês passado, o assunto que levou Antonoaldo Neves a ser chamado ao Parlamento, o presidente da TAP rejeita que as várias regiões do país, à exceção de Lisboa (onde se concentrava a quase totalidade dos voos apresentados no plano original), tenham sido esquecidas. A falta procura, diz, foi o que justificou a definição das rotas.

"Este é um processo de tentativa e erro. É muito difícil, hoje, prever a procura que vamos ter nos próximos meses. Temos feito um processo em que colocamos voos e voltamos a retirar voos. Ninguém sabe como vai estar a procura no fim do ano, com a incerteza que temos em relação à abertura de fronteiras", afirmou.

Seja como for, ressalva, a rede da TAP "não é estática" e será alterada em função da evolução da procura. Os principais fatores para a escolha das rotas, detalhou ainda, serão a rentabilidade e a concorrência existente nas mesmas.

"Temos de entender que ainda vivemos na pandemia. Por isso, os critérios que usamos hoje são muito simples: temos de ter muito cuidado ao voar para mercados que queimam caixas e que têm concorrência. No final, o que temos de garantir é preservar, ao máximo, a capacidade da TAP e não queimar caixa. Não há melhor forma de proteger o dinheiro dos acionistas do que não tomar medidas que queimem caixa", sublinhou, adiantando que será pouco provável que, daqui a seis meses, a TAP já tenha atingido uma operação superior a 60% do que aquela que era registada no ano passado.

Notícia atualizada pela última vez às 12h21 com mais informação.
Ver comentários
Saber mais tap antonoaldo neves aviação assembleia da república
Mais lidas
Outras Notícias