Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Tobis: Processo de despedimento colectivo começou hoje

Segundo o delegado sindical da Tobis, são abrangidos pelo despedimento colectivo 13 trabalhadores da mais antiga produtora cinematográfica portuguesa.

Lusa 09 de Abril de 2012 às 20:56
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A administração liquidatária da Tobis informou os trabalhadores da produtora, às 17:00 de hoje, de que pretendia iniciar o procedimento de despedimento colectivo, disse à Agência Lusa o delegado sindical da empresa, Tiago Silva.

Segundo o delegado sindical da Tobis, são abrangidos pelo despedimento colectivo 13 trabalhadores da mais antiga produtora cinematográfica portuguesa.

Os salários de Março, incluindo a parcela correspondente aos dias do mesmo mês em que os trabalhadores saíram por mútuo acordo, ainda não foram pagos, acrescentou o delegado sindical.

Entretanto, o presidente do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), comunicou aos trabalhadores a intenção de se reunir com os trabalhadores da empresa a fim de os esclarecer sobre as dúvidas que têm em relação ao despedimento.

A comissão liquidatária da Tobis invoca razões estruturais e de mercado para o despedimento colectivo e o fecho da empresa.

De acordo com a comunicação que a administração liquidatária da Tobis enviou aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, após o início do processo de despedimento colectivo, segue-se um período de cinco dias para informações e negociações entre a estrutura representante da empresa e a dos trabalhadores, com vista à obtenção de um acordo entre as partes.

Depois de celebrado o acordo, ou na falta deste, e depois de decorridos 15 dias sobre a data de recepção do comunicado enviado aos trabalhadores, a empresa comunicará, por escrito, a cada trabalhador que pretende despedir.

De acordo com o documento, a indemnização a atribuir a cada trabalhador é de um mês de retribuição de base e diuturnidades por cada ano de antiguidade.

A administração liquidatária da Tobis também informou hoje o Ministério da Economia da sua pretensão de proceder ao despedimento colectivo e ao fecho da empresa.

As mudanças tecnológicas no mercado do audiovisual, a diminuição da procura de serviços, como a que afectou as cópias em filme para distribuição devido à recessão económica, e que teve efeitos "devastadores" na empresa, e a confirmação da tecnologia digital para o sector do audiovisual são alguns dos motivos invocados pela administração liquidatária da Tobis.

Para a administração, os serviços prestados pela empresa não são suficientes para fazer face aos custos mensais, e muitos dos serviços prestados não são pagos de imediato, o que causa problemas de tesouraria.

O facto de não haver perspectiva de retoma do sector a longo prazo é outra das causas invocadas.

A dispensa dos primeiros 14 trabalhadores da Tobis - o mais novo somava 45 anos -, por rescisão amigável, verificou-se a 19 de Março. Antes, a Tobis contava com 53 trabalhadores, tendo passado então a 39. Destes, são agora despedidos 13.

A Tobis foi vendida a 23 de Fevereiro à Filmdrehtsich Unipessoal Lda, uma empresa de capitais angolanos que passará a deter o segmento digital dos laboratórios - as áreas de restauro e de pós-produção digital. A transacção foi viabilizada pela Autoridade da Concorrência a 4 de Abril.

A produtora mantém o património edificado e o património fílmico, que foi entretanto classificado como tesouro nacional. O início da actividade da Filmdrehtsich está previsto para meados deste mês.

A Tobis é a mais antiga produtora cinematográfica em Portugal, embora nos últimos tempos se tenha dedicado à pós-produção.

Ver comentários
Saber mais Tobis despedimento colectivo
Mais lidas
Outras Notícias