Comércio Toys”R”Us está a preparar-se para encerrar as operações nos Estados Unidos

Toys”R”Us está a preparar-se para encerrar as operações nos Estados Unidos

A retalhista do segmento dos brinquedos está a preparar-se para liquidar as operações em solo norte-americano depois de não ter sido encontrado um comprador para a operação nem ter sido possível reestruturar a dívida.
Toys”R”Us está a preparar-se para encerrar as operações nos Estados Unidos
Reuters
Ana Laranjeiro 09 de março de 2018 às 08:39

A retalhista Toys"R"Us está a preparar-se para encerrar as operações nos Estados Unidos da América (EUA). Uma fonte da Bloomberg avança que esta decisão surge depois não ter sido possível à empresa encontrar um comprador para a operação da empresa em solo americano nem ter sido possível reestruturar a dívida que tem com os credores.

A decisão ainda não é oficial, mas esse cenário tem sido assumido como cada vez mais provável nos últimos dias uma vez que a empresa não conseguiu ultrapassar as suas dificuldades. A esperança de que surja um comprador é cada vez mais remota aponta a fonte da Bloomberg.


Os problemas da retalhista do segmento dos brinquedos não são de hoje. Em Setembro do ano passado, a Toys"R"Us pediu protecção contra credores ao abrigo do capítulo 11 da Lei de Falências dos EUA - e fez o mesmo para a sua subsidiária no Canadá - para poder reestruturar a sua dívida de longo prazo, no valor de cinco mil milhões de dólares.


Já no início deste ano, foi revelado que a empresa pretendia encerrar cerca de 180 lojas nos EUA entre Fevereiro e Abril.

Mas não é só nos EUA que a marca enfrenta dificuldades. No mês passado, foi noticiado que a empresa entrou em insolvência no Reino Unido e que os cerca de três mil trabalhadores que a retalhista tem neste mercado podem ficar com os seus postos de trabalho em risco. Pouco depois dessa notícia, a Toys"R"Us esclareceu que as unidades de Portugal e Espanha não vão ser afectadas.


Nos últimos anos, e de acordo com a Reuters, a firma tem vivido tempos difíceis em solo britânico, pressionada nomeadamente pela preferência crescente dos clientes por passarem mais tempo online do que nos corredores das lojas. A Moorfields Advisory, empresa encarregada de gerir este processo, revelou que as lojas vão, por enquanto, continuar a funcionar. A entrada neste processo de insolvência ocorreu, disse, depois da uma "tentativa infrutífera para vender o negócio".

Também no final do ano passado, surgiu a notícia de que que a Toys "R" Us norte-americana estava a desenvolver negociações no sentido de vender o seu negócio na Ásia ao seu parceiro local.

A cadeia norte-americana está a debater a alienação de uma participação de 85% da sua unidade asiática ao milionário de Hong Kong que tem o remanescente deste negócio na Ásia. A operação, segundo fontes da Bloomberg, pode avaliar a Toys R Us na Ásia em, pelo menos, mil milhões de dólares.

Em Outubro do ano passado, foi noticiado que a empresa norte-americana estava a estudar várias opções para a sua unidade asiática. Em cima da mesa estava nomeadamente a possibilidade de listar esta unidade na bolsa de Hong Kong.




pub