Aviação Três candidatos à compra da TAP

Três candidatos à compra da TAP

A privatização de até 61% da companhia aérea nacional atraiu três candidatos. David Neeleman, Germán Efromovich e Miguel Pais do Amaral vão disputar a compra da TAP. O Governo quer assinar o contrato até 30 de Junho.
Três candidatos à compra da TAP
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 15 de maio de 2015 às 17:30

Os empresários David Neeleman, German Efromovich e Miguel Pais do Amaral entregaram propostas vinculativas para a compra de até 61% da TAP, de acordo com fontes ligadas ao processo.

 

No total, a Parpública recebeu três propostas à privatização da companhia aérea nacional.

 

Efromovich participa sozinho no concurso, desconhecendo-se ainda a composição dos consórcios dos outros dois candidatos.

 

Ao contrário da tentativa de privatização da TAP de 2012, onde apareceu apenas um candidato, o processo que está agora em curso vai decorrer num ambiente competitivo.

 

De acordo com o caderno de encargos do concurso, no prazo de cinco dias úteis após a recepção das propostas vinculativas de aquisição – ou seja, na próxima sexta-feira – e após audição da TAP quanto à adequação aos interesses da sociedade das propostas vinculativas de projectos estratégicos, a ocorrer no prazo de três dias, a Parpública terá de elaborar  um relatório que descreva pormenorizadamente as propostas recebidas e as diligências informativas.

 

O relatório que terá de incluir uma apreciação de cada um dos proponentes e das respectivas propostas, determinando o seu mérito relativo em função dos critérios de selecção definidos.

 

De acordo com as regras do concurso, o Conselho de Ministros pode, em alternativa, determinar que se realize uma fase de negociações, com vista à apresentação de propostas vinculativas melhoradas e finais.

 

Também a comissão especial de acompanhamento da privatização da TAP liderada por Cantiga Esteves irá pronunciar-se. 

Os próximos donos da TAP?

Ao contrário do que aconteceu em 2012, o Governo espera um ambiente competitivo, com a entrega de mais do que uma proposta.

 

David Neeleman - Presidente da Azul
Fernando Pinto, Sérgio Monteiro e Pires de Lima convenceram o fundador e presidente da Azul a analisar o processo de privatização da TAP. Filho de americanos, nascido em São Paulo em 1959, criou até agora quatro companhias aéreas, a Morris Air e a JetBlue, nos Estados Unidos, a WestJet no Canadá e a Azul no Brasil. É considerado um empreendedor no negócio da aviação, sendo-lhe atribuídas inovações desta industria como o e-ticket e a TV ao vivo durante os voos. Orgulha-se de nunca ter feito despedimentos em massa, de todas as companhias que fundou serem lucrativas e de ter sempre distribuído lucros pelos colaboradores.

 

Germán Efromovich - Dono do grupo Synergy
Quase ficou com a TAP no processo de privatização aberto em 2012, mas por falta de garantias viu, então, a sua proposta chumbada. O dono da Avianca é colombiano, nasceu na Bolívia e tem  nacionalidade brasileira e polaca.

 

Miguel Pais do Amaral - Empresário
O português assumiu estar a estudar o dossier da privatização da TAP, para o qual desenvolveu contactos com o norte-americano Frank Lorenzo, antigo accionista da Continental Airlines. 




pub