Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Uma guerra entre gémeos bilionários que envolve escutas no Ritz, tribunais e detetives

Os irmãos, que passaram décadas a evitar a atenção dos media e isolaram-se numa ilha no meio do Canal da Mancha, estão agora na primeira página dos jornais devido à parte mais recente da disputa jurídica entre as várias gerações da família sobre a venda do Ritz.

Bloomberg 24 de Maio de 2020 às 11:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O mundo secreto dos gémeos bilionários britânicos Frederick e David Barclay começou a ser revelado com uma câmara escondida e um sistema de gravação discreto.

 

Num vídeo divulgado por Frederick esta semana, um dos filhos de David, Alistair Barclay, aparece supostamente a esconder um aparelho de escuta no Ritz Hotel para capturar conversas privadas entre Frederick e a sua filha Amanda, que estavam a negociar a venda do histórico hotel nos arredores do Palácio de Buckingham. Mas Frederick estava preocupado que alguém estivesse a ouvir a conversa e pediu que a segurança do hotel instalasse uma câmara escondida que capturasse as imagens.

 

Os irmãos, que passaram décadas a evitar a atenção dos media e isolaram-se numa ilha no meio do Canal da Mancha, estão agora na primeira página dos jornais devido à parte mais recente da disputa jurídica entre as várias gerações da família sobre a venda do Ritz. Os irmãos passaram o controlo dos negócios da família para a próxima geração, mas advogados de Frederick disseram a um tribunal de Londres que os três filhos de David estão a isolar a sua filha, Amanda. O caso oferece um vislumbre dos conflitos de um dos clãs mais ricos do país, dono do jornal Daily Telegraph e de outras empresas no Reino Unido.

"Infelizmente, este é um exemplo clássico de como as empresas familiares se autodestroem", disse Irina Curbelo, cofundadora da consultoria de negócios familiares Percheron Advisory. "Os Barclay têm de se lembrar que 60% dos fracassos dos negócios de família devem-se à falta de comunicação aberta e confiança. Sem reconstruir isso, todos os seus negócios, grande parte da riqueza da família e os próprios laços familiares desaparecem." 

Hefin Rees, advogado de Frederick e Amanda, disse a um tribunal de Londres em audiência preliminar no início deste mês que os interesses das duas partes já estavam "em conflito". Ao ouvir a conversa, os primos "podiam antecipar todos os movimentos" de Frederick e Amanda com antecedência e "planear a sua estratégia de negócios tendo isso em conta", incluindo a assessoria jurídica que estavam a receber "neste momento crucial em que os seus negócios e relacionamentos pessoais se tinham deteriorado", disse o advogado.

 

"Ele é um homem que agora tem que contemplar a traição dos seus sobrinhos e um pai que testemunhou o tratamento prejudicial da sua filha por parte dos seus primos", disse Rees ao tribunal, argumentando que "isso era espionagem comercial em grande escala".

 

Embora o caso já esteja a ser conduzido pelos tribunais de Londres desde que Frederick e Amanda processaram os três filhos de David - Alistair, Aidan e Howard - e o filho de Aidan, Andrew, em janeiro, as imagens capturadas ganharam nova importância.

 

Alistair, vestido informalmente com sua camisola de Harvard, é visto supostamente a procurar um lugar para um adaptador elétrico que supostamente contém o aparelho de escuta. Inclina-se e supostamente liga-o perto de uma cadeira de cor creme, onde Frederick costumava sentar-se para fumar um charuto enquanto conversava sobre negócios com Amanda, que ocupava seu lugar no sofá estampado de flores. Alistair parece olhar diretamente para a câmara antes de caminhar para tocá-la.

 

 

O aparelho capturou 94 horas de gravações de áudio e 1.000 conversas ao longo de vários meses, incluindo conversas privadas de Frederick e Amanda com os seus advogados, administradores, banqueiros e empresários, além de negociações com possíveis compradores do Ritz, disseram os advogados da dupla em documentos enviados ao tribunal.

 

A família já estava dividida sobre a venda do hotel de cinco estrelas, que os gémeos idênticos compraram por 75 milhões de libras em 1995.

 

Quando Alistair supostamente instalou o dispositivo em janeiro, os dois lados conduziam negociações separadas. Por causa das gravações, os primos descobriram que a Sidra Capital, da Arábia Saudita, tinha feito uma oferta inicial de 1,3 mil milhões de libras a Frederick e Amanda, além de uma aquisição não identificada em discussão entre Frederick, Amanda e um empresário russo, segundo advogados.

 

Os filhos de David negaram a informação em comunicado na sexta-feira. É "simplesmente falso" que qualquer interessado tenha feito uma proposta formal de algo próximo a esse valor, disse um porta-voz da holding da família. Frederick não está diretamente envolvido na administração dos negócios da família há quase 30 anos e colocou em risco o processo de venda do Ritz, disseram.

 

Frederick "há algum tempo está a conduzir conversas não informadas com uma série de terceiros sobre assuntos comerciais delicados", disseram no comunicado. "Essas atividades eram claramente inapropriadas e tinham o potencial de interferir e prejudicar os interesses comerciais da família."

 

A advogada dos primos, Heather Rogers, disse que eles aceitaram que Frederick e Amanda fossem gravados sem seu conhecimento ou consentimento e que algumas das transcrições das gravações eram compartilhadas entre os primos, que não apresentaram defesa. Ela criticou as alegações escritas de Frederick e Amanda por serem propositadamente "chamativas e emotivas" e muito "tendenciosas".

 

"Trata-se de uma disputa sobre membros da família e, do ponto de vista dos réus, é lamentável que esteja a ser examinada em público em vez de resolvida em família", disse numa audiência no início do mês.

 

Um porta-voz de Frederick e Amanda não quis fazer mais comentários além das declarações anteriores.

 

Empresário misterioso

 

A audiência deste mês também revelou que os filhos de David contrataram a Quest Global, uma firma de detetives privados com escritórios em Londres e no Qatar, que forneceu outro aparelho de escuta, disse Rees, advogado de Frederick, em declarações por escrito. A Quest cobrou 405 horas pelo áudio e transcrição das gravações, que depois foram partilhadas com os primos, disse Rees ao tribunal.

 

Quest, presidida e pelo menos parcialmente controlada pelo ex-chefe de polícia de Londres John Stevens, é mais conhecida pelo seu trabalho em investigações desportivas. A empresa opera num edifício do outro lado do parque, perto do Ritz, e orgulha-se da sua vasta experiência em vigilância e monitorização de longo prazo de funcionários e edifícios. Um representante da Quest não comentou.

 

No tribunal, Rees disse que as gravações capturaram extensas conversas entre Frederick, Amanda e um misterioso empresário russo relacionado a uma aquisição não identificada que não foi concretizada devido à intervenção dos advogados dos primos. O advogado de Frederick e Amanda disse que a Quest entregou um relatório ao empresário russo em novembro do ano passado, aparentemente preparado para a Ellerman Holdings.

 

Gémeos bilionários

Os gémeos, de 85 anos, estão entre os bilionários mais discretos do Reino Unido, conhecidos por um complexo familiar numa pequena ilha na costa sul do Reino Unido.

 

Nascidos de pais escoceses - com apenas 10 minutos de diferença -, cresceram numa casa no oeste de Londres tão perto de uma ferrovia que os comboios estremeciam as janelas. Depois de deixarem a escola aos 16 anos, os gémeos começaram a trabalhar no departamento de contabilidade da General Electric, de acordo com "The Twin Enigma", livro de Vivienne Lewin publicado em 2016.

 

Fizeram uma parceria na década de 1960 para transformar velhas pensões em hotéis e passaram a investir em cervejarias e casinos, marcando o início do seu império comercial. Os gémeos têm participações em empresas como no serviço de entrega Yodel e na retalhista online The Very Group.

 

Frederick também trava uma batalha nos tribunais com a esposa Hiroko Barclay, de quem está separado. Um juiz que supervisionou a audiência preliminar do divórcio impôs limites ao que pode ser relatado, mas o caso pode, eventualmente, lançar luz sobre as finanças da família Barclay, caso haja uma decisão pública.

 

Venda do Ritz

Documentos públicos mostram pistas da crise da família Barclay antes mesmo do início do processo judicial e como o novo proprietário do Ritz comprou um dos ativos mais valiosos do Barclays.

Aidan e Howard Barclay substituíram Amanda e um dos seus funcionários como diretores nas empresas Ritz uma semana depois de Alistair Barclay ter sido gravado a instalar o aparelho de escuta. Os irmãos fecharam um acordo pelo Ritz com o empresário Abdulhadi Mana Al-Hajri, do Qatar, por cerca de 800 milhões de libras em março. Frederick e Amanda souberam do negócio através da imprensa, apesar de Amanda ter uma participação de 25% no hotel.

 

"Estamos surpreendidos e perturbados com o anúncio de que o hotel Ritz teria sido vendido", disse um porta-voz de Frederick na época. "Não fomos consultados nem aprovamos esta venda."

 

Al-Hajri, de 40 anos, cunhado do rei do qatar, segue o estilo do Barclays na administração do Ritz, mantendo um perfil discreto. Além do hotel de Londres, os seus imóveis incluem a casa mais cara da Turquia e uma mansão de 50 milhões de dólares em Miami, segundo a imprensa local.

 

Outro advogado de Frederick e Amanda, Desmond Browne, resumiu a disputa familiar em andamento no tribunal no início deste ano.

 

"Todos nos lembramos de Tolstói dizia ‘cada família infeliz, é infeliz à sua maneira’", disse. "Aqui, os filhos de Sir Frederick e Sir David têm estado em desacordo ... em relação aos fundos da família e, infelizmente, primos foram colocados contra primos."

Ver comentários
Saber mais Ritz Hotel Londres Sir Frederick Alistair Barclay Quest Global Howard Barclay Abdulhadi Mana Al-Hajri
Mais lidas
Outras Notícias