Empresas Vão as bolachas Triunfo passar a fazer parte da ementa de Buffett?

Vão as bolachas Triunfo passar a fazer parte da ementa de Buffett?

Fábrica de bolachas Triunfo e Proalimentar, alvo de OPA em 2001 pela Nutrinveste, já esteve no universo da United Biscuits e da Kraft Foods, mas hoje é parte da Mondeléz International.
Vão as bolachas Triunfo passar a fazer parte da ementa de Buffett?
Reuters
Isabel Aveiro 25 de março de 2015 às 14:03

A fábrica de bolachas Triunfo localizada em Mem Martins, que além daquela marca produz ainda a Proalimentar e as Belgas, fica fora da mega operação de concentração esta quarta-feira conhecida, de compra e posterior fusão, do Kraft Foods Group por Warren Buffett e o fundo brasileiro 3G Capital. O negócio irá resultar na nova companhia Kraft Heinz e será o quinto maior grupo alimentar e de bebidas do mundo, terceiro nos EUA.  

 

A unidade de produção portuguesa chegou a estar seis anos no universo da Kraft Foods, quando a companhia norte-americana adquiriu os negócios do Sul da Europa da britânica United Biscuits. Mas, desde Outubro de 2012, a Kraft – que já tinha decidido cindir-se em dois no Verão anterior – fez um "spin off" da área de snaks onde se incluíam activos europeus, entre as quais a portuguesa Triunfo.

 

Passou-se a chamar a esta área Mondeléz International, separada em termos de accionistas, cotação, sede e negócios, do resto do grupo Kraft Foods, concentrado sobretudo no mercado da América do Norte – EUA e Canadá.

 

A separação de activos entre Kraft e Mondeléz (ambas com sede nos EUA) manteve contudo um acordo de representação de marcas da primeira com a segunda para a Europa – daí que marcas globais que ainda hoje são da Kraft – como o queijo Philadelphia, ou a Cadbury (de origem britânica mas comprada em 2010) e Trident – façam parte do portefólio distribuído pela Mondeléz no mercado português.

 

De acordo com a informação da Mondeléz International em Portugal, "os colaboradores" da "fábrica em Mem Martins dedicam-se ao fabrico das marcas de bolachas mais apreciadas em Portugal, incluindo a Chipmix, Maria, Torrada, Integral, Wafers e Belgas". A sede social está situada em Alfragide, Lisboa.

 

A fábrica de Mem Martins não é controlada por capitais portugueses desde 2004, quando o grupo Nutrinveste – que detém hoje a Sovena e foi também dono da Compal e da Nutricafés – a alienou à United Biscuits em 2004.

 

O grupo agro-alimentar de Jorge de Mello passou a controlar o capital após OPA lançada em 2001, quando então atingiu a posse de 94,2% dos títulos da fabricante. A título de curiosidade, aquando da OPA, cada acção da então cotada Fábricas Triunfo – no Mercado sem Cotações da Bolsa de Valores de Lisboa e do Porto (BVLP) na altura - valia cinco euros para a Nutrinveste. Foi esse o valor da oferta conhecida a 29 de Setembro de 2001.

 

Parceria entre 3G Capital e Buffett remonta a 2013

 

O fundo de investimento 3G Capital é brasileiro e nos últimos anos tem crescido por via de aquisições. A sua relação com a Berkshire Hathaway (do investidor Warren Buffett) remonta a 2013, altura em que a 3G Capital comprou a Heinz. Buffett financiou também a compra da Tim Hortons e está agora envolvido na compra da Kraft Foods.

 

A primeira grande compra da 3G Capital remonta a 2010, ano marcado pela aquisição da Burger King. O negócio foi anunciado em Setembro de 2010 e, nessa altura, foi revelado que a 3G Capital tinha chegado a acordo para comprar a Burger King por 4,0 mil milhões de dólares.

 

Em Junho de 2013 o fundo comprou a Heinz, em parceria com a Berkshire Hathaway. A compra da Heinz foi avaliada em 28 mil milhões de dólares.

 

Em 2014 a 3G Capital criou a Restaurant Brands International, depois de comprar a Tim Hortons, numa operação que contou com o financiamento de Buffett. A Restaurant Brands International agrega as marcas Tim Hortons e Brands International. 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI