Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vasco Mello: Modelo do utilizador-pagador "faz parte do ADN da Brisa"

Vasco de Mello confirmou no Parlamento que houve algumas abordagens para a alteração da concessão para a remuneração por disponibilidade mas "acabou por não se materializar”.

Maria João Babo mbabo@negocios.pt 16 de Janeiro de 2013 às 19:00
  • Partilhar artigo
  • ...

A Brisa “sempre geriu o risco de tráfego e sempre considerou que a forma adequada de desenvolver a actividade concessionada rodoviária era através do modelo do utilizador pagador”, sublinhou Vasco de Mello na comissão parlamentar de inquérito às PPP, respondendo a questões levantadas pelo PS quanto às razões porque o grupo não aceitou, como outras concessionárias,  passar a ser remunerado por disponibilidade.

 

“Faz parte do ADN da Brisa e isso foi um elemento tipo sempre em conta nas alturas em que se equacionou a possibilidade de poder alterar o modelo da empresa”, sublinhou, lembrando que essa situação se colocou quando a passagem da EP a concessionária tonou necessário encontrar novas receitas para a empresa pública.

 

“Nesse âmbito houve algumas abordagens onde se reflectiu sobre esse assunto mas acabou por não se materializar”, afirmou.

 

Vasco de Mello disse ainda não ter sido contactada para qualquer alteração ao contrato com o Estado, desde o acordo conseguido em 2008.

 

O presidente da Brisa afirmou ainda aos deputados que “a rede existente de auto-estradas  é mais do que suficiente para cobrir as necessidades do país”, considerando, no entanto, que a decisão de avançar com a construção de novas auto-estradas “é decisão política”, não se pronunciando nem sobre o número de concessões lançadas pelo anterior Governo nem sobre o  projecto que havia para uma terceira ligação Lisboa-Porto.

 

Questionado sobre se o grupo pediria um reequilíbrio financeiro caso fosse criada uma sobretaxa sobre as PPP, Vasco de Mello afirmou que "a Brisa teria de analisar se haveria alguma forma de poder ser ressarcida". "Se fosse uma medida de carácter geral, poderia não poder fazer nada, se fosse uma medida de carácter específico para a Brisa teria de estudar medidas ao seu alcance.   

Ver comentários
Saber mais Vasco Mello Brisa concessão auto-estrada Parlamento
Outras Notícias