Comércio Vendas a retalho em Portugal subiram acima da média da UE em Janeiro

Vendas a retalho em Portugal subiram acima da média da UE em Janeiro

Em Janeiro, o volume de negócios do comércio a retalho aumentou 5,3% em Portugal, quando na União Europeia o crescimento foi de apenas 2,7%.
Vendas a retalho em Portugal subiram acima da média da UE em Janeiro
Bloomberg
Rita Faria 05 de março de 2018 às 11:07

As vendas a retalho em Portugal subiram 5,3% em Janeiro, face ao mesmo mês do ano passado, um aumento que é quase o dobro da subida registada pelos membros da União Europeia (2,7%). Entre os parceiros do euro, o crescimento do volume de negócios no comércio a retalho foi de 2,3%, revela o Eurostat esta segunda-feira, 5 de Março.

 

Na Zona Euro, o crescimento é justificado pelo Eurostat com a subida de 3,8% dos produtos não-alimentares, de 0,8% dos alimentos, bebidas e tabaco e de 0,2% dos combustíveis.

 

Entre os Estados-membros da União Europeia, as maiores subidas deste indicador foram registadas na Roménia (11%), Hungria (7,5%), Letónia (7,2%) e França (6,3%) e as únicas descidas na Estónia (-0,9%) e Bélgica (-0,2%).

 

Na comparação em cadeia, porém, Portugal teve um desempenho inferior ao dos parceiros da Zona Euro e da União Europeia, com as vendas a retalho a descerem 0,5% face a Dezembro. Tanto na região da moeda única como na UE, a quebra foi de apenas 0,1%, com descidas na venda de produtos não alimentares e alimentos, bebidas e tabaco, e aumentos ligeiros na venda de combustíveis a serem insuficientes para impulsionar o índice geral.

 

Entre os Estados-membros da UE, os maiores decréscimos mensais foram observados na Estónia (-2,4%), Bélgica (-1,6%) e Malta (-1,4%), enquanto as maiores subidas aconteceram na Letónia (2,1%), Finlândia (1,3%), Hungria (1,1%) e Áustria (0,7%).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub