Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vendas mundiais da Renault caíram 4% em 2006

As vendas globais da Renault tiveram no ano passado uma quebra de 4%, motivada em grande medida pela descida das vendas na Europa, onde o grupo francês regista mais de metade da comercialização dos seus veículos.

Miguel Prado miguelprado@negocios.pt 05 de Janeiro de 2007 às 13:16
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As vendas globais da Renault tiveram no ano passado uma quebra de 4%, motivada em grande medida pela descida das vendas na Europa, onde o grupo francês regista mais de metade da comercialização dos seus veículos.

A nível mundial a Renault vendeu 2,43 milhões de unidades, que comparam com os 2,54 milhões de automóveis de 2005. Em França a Renault comercializou 669 mil automóveis, 5,1% abaixo do ano anterior, mas a quebra foi ainda maior no resto do continente europeu, que registou uma descida de 10,9%, passando de 1,15 milhões de veículos para 1,02 milhões.

Os resultados hoje divulgados pelo construtor francês apontam, no entanto, evoluções favoráveis nos restantes mercados. Na América as vendas subiram 13,2%, para 186 mil veículos. Na região EuroMed, que inclui alguns países do Norte de África e do Norte da Ásia (como a Rússia), as vendas subiram 12,6%, para 380 mil unidades. Já nos mercados asiático e africano a Renault registou uma descida de 2,5%, para 176 mil veículos.

A Renault destaca o processo de internacionalização, salientando que o peso das vendas fora da Europa no total de veículos comercializados pelo grupo tem sido crescente. De 2005 para 2006 passou de 27% para 30%. O grupo dá ainda particular ênfase aos quase 250 mil Logan vendidos no ano passado, tendo como maiores mercados a Roménia, a Rússia e França. As vendas deste modelo subiram 70,4% face a 2005.

No nosso mercado, segundo os dados da Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), a Renault vendeu quase 35 mil veículos em 2006 (menos 10,2% do que em 2005), destacando-se como a marca mais vendida, seguida da Opel (mais de 28 mil unidades) e da Peugeot (acima das 26 mil).  

Outras Notícias