Indústria Vista Alegre Atlantis mais do que duplica lucros

Vista Alegre Atlantis mais do que duplica lucros

A Vista Alegre Atlantis manteve-se nos lucros em 2017. Mais do que duplicou o valor que tinha conseguido em 2016. Crescimento de vendas e controlo de custos justificam a evolução.
Vista Alegre Atlantis mais do que duplica lucros
Alexandra Machado 14 de março de 2018 às 18:09
A Vista Alegre Atlantis conseguiu mais do que duplicar os lucros em 2017. A empresa atingiu um resultado líquido de 4,258 milhões de euros, mais do dobro dos 1,797 milhões de 2016. É o segundo ano consecutivo em terreno positivo.

"O foco na eficiência produtiva e o bom desempenho das vendas permitiram o crescimento do resultado operacional em 39% face a 2016, para os 7,7 milhões de euros", explica a empresa em comunicado à CMVM.

O volume de negócios cresceu 13% para os 84,5 milhões de euros, com o exterior a representar 64% desse negócio, "com ênfase no alcance de novos mercados, essencialmente na Europa e na Ásia".

Ainda assim, internamente cresceu 11%. A empresa explica: "Tal deveu-se essencialmente à consolidação da estratégia comercial da Vista Alegre em Portugal, com uma maior aposta nos seus canais de vendas", além "da boa prestação ao nível das lojas nacionais".

Além de crescer vendas, o controlo nos custos permitiu que o EBITDA aumentasse 42% para 13,6 milhões de euros, ficando a margem nos 16%, mais 3,3 pontos percentuais que no ano anterior.

A Vista Alegre Atlantis realça que em 2017 investiu, principalmente, no segmento do grés (forno e mesa) e cristal. Com dois projectos em curso, designados "CerexCor (nova linha produtiva de louça de mesa em grés) e CristalLux (produção mais eficiente de artigos de luxo de cristal )" e o "DecorRia". 

No âmbito do projecto CristalLux, a empresa firmou um contrato de fornecimento garrafas de cristal de luxo de conhaque com a Hennessy, do grupo Louis Vuitton, um contrato plurianual de 16 milhões de euros. 

A empresa iniciou ainda a ampliação da fábrita Ria Stone para aumentar a capacidade em mais de 60%, com previsão de atingir uma produção anual de mais 48 milhões de peças de louça de mesa em grés decoradas digitalmente e fabricadas por monocozedura. Este investimento deve ficar concluído em Outubro de 2018.

O aumento de produção da Ria Stone deve-se às compras do cliente Ikea, que estendeu o contrato com garantia de compra da produção até 2026, e um volume de negócios estimado de 250 milhões de euros no período do contrato.

 





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Ricardo 14.03.2018

Se Portugal tivesse mais meia dúzia de empresas assim seria bom para todos. Daqui a una anos quem sabe se não brilhará no cristal como a Amorim brilhou na cortiça.

pub