Automóvel Volkswagen pode enfrentar nova investigação nos EUA

Volkswagen pode enfrentar nova investigação nos EUA

O Congresso dos Estados Unidos da América deverá investigar novas suspeitas de que a construtora automóvel alemã vendeu carros a diesel para o estrangeiro com software falsificado.
Volkswagen pode enfrentar nova investigação nos EUA
Bloomberg
Ana Laranjeiro 22 de fevereiro de 2018 às 08:34

Depois do acordo no valor de 14,7 mil milhões de dólares na sequência do escândalo das emissões de gases poluentes nos Estados Unidos, a Volkswagen pode ir ser novamente escrutinada. O Congresso norte-americano deverá investigar novas suspeitas de que a empresa alemã vendeu automóveis a diesel para o estrangeiro com software falsificado, avança a Bloomberg.

Darrell Issa, da Câmara dos Representantes dos EUA, disse à agência de informação que uma nova investigação "é quase inevitável". "Há um sentimento crescente de que os executivos têm de ser responsabilizados", numa altura em que as autoridades estão a tentar perceber se os executivos de topo da marca estavam cientes do que se passou. Darrell Issa acrescentou que o acordo alcançado entre a Volkswagen e as autoridades norte-americanas em 2016 não reflectia o âmbito da actual "da conspiração global que entendemos agora".

Os líderes da Volkswagen e da Porsche poderão ser chamados a prestar contas já no próximo mês de Abril e se não o fizerem de forma voluntária podem ser intimados para o fazer.

Apesar do acordo alcançado há mais de um ano, a Volkswagen continua a ter processos pendentes em tribunal, tanto nos EUA como na Alemanha, interpostos por investidores devido ao impacto que o software fraudulento relacionado com as emissões de gases teve nas acções.

Jeannine Ginivan, porta-voz da Volkswagen para América, em comunicado, apontou que "desde Setembro de 2015 que a Volkswagen deu passos significativos para fazer as coisas de forma correcta para os nossos clientes do diesel nos EUA e que possa ajudar a recuperar a confiança do público americano". "A Volkswagen está actualmente no meio da maior transformação na nossa história, à medida que trabalhamos para nos tornarmos um líder mundial na mobilidade sustentável e construímos uma cultura empresarial mais forte e transparente".

Uma nova investigação do Congresso à Volkswagen iriam complicar os esforços da construtora automóvel para deixar para trás um dos maiores escândalos na indústria automóvel dos últimos anos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 22.02.2018

O mundo nao se cala por o Trump nao ter assinado o acordo de Paris; ora vejam, ele tinha razao, os EUA estao vinte anos a` frente da europa no control da poluicao e para provar e egualar o comportamento, a VW esta` a sfrer as concequencias; limpem a vossa casa antes de meter o nariz na dos outros!!!!

Re-ciresp 22.02.2018

Isto não é mais nada a não ser o proteccionismo americano a funcionar ! A america nunca iria permitir que a a Alemanha fosse o maior fabricante de carros...na America!Mas os carros alemães são os melhores do mundo, por isso... Qto ao amigo Ciresp, o melhor é correr dentro de casa...no ofense !

General Ciresp 22.02.2018

Levem a descoberta ate ha exaustao.Se for preciso a minha assinatura estarei sempre pronto para tal.Receberem milhoes de dividendos,levaram a bolsa ao RUBRO,mas o povo a encharcar os hospitais por causa destes filhos da ....Eu estou a ser vitima desse sfotware envenenado por fazer desporto na rua.

Saber mais e Alertas
pub