Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acordo da EDP Renováveis com Governo é "positivo" porque elimina "incerteza"

A nova remuneração para os produtores de energia eólica é positiva para a EDP Renováveis, na opinião do BPI Equity Research, dado que termina com as incertezas em torno das alterações de regulação. O BESI indica que as poupanças deste acordo para o Estado são "modestas".

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 03 de Setembro de 2012 às 10:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
O acordo do Governo com a EDP Renováveis para a nova remuneração dos activos eólicos é “positivo” para a cotada, na opinião da casa de investimento do BPI.

Para os analistas Bruno Silva e Flora Trindade, o novo esquema definido no acordo de princípio “elimina finalmente a incerteza e os receios de alterações na regulação”, segundo a nota de análise diária.

“Os produtores eólicos poderão efectuar um investimento voluntário para obterem uma maior visibilidade remuneratória através da aquisição de um novo esquema tarifário para o período após os actuais 15 anos definidos por lei”, indicou esta segunda-feira, em comunicado emitido através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis, na sequência do acordo de princípio para as remunerações aos produtores eólicos em Portugal.

Há um novo esquema tarifário que prolonga o período remuneratório dos actuais 15 anos para um período de 20 a 22 anos, “pelo qual os produtores eólicos irão efectuar um pagamento anual entre 2013 e 2020”.

“[O acordo] assegura um prémio sobre as tarifas portuguesas para além dos 15 anos de operação através de uma solução neutral a nível do valor actual líquido [indicador que avalia a viabilidade de um investimento]”, comenta o BPI Equity Research. O BES Investimento também acredita que este acordo é “neutral” no que diz respeito ao valor actual líquido. O "target" do BPI para o título é de 5,80 euros, sendo que a casa de investimento mantém uma recomendação de "comprar" para as acções da cotada liderada por Manso Neto.

A EDP Renováveis espera investir entre 5.800 euros e 6.500 por megawatt por ano. Tendo 615 megawatts abrangidos pelo regime incluído neste acordo, a empresa poderá investir, por ano, entre 3,6 e 4 milhões de euros, “permitindo à companhia alcançar uma maior visibilidade remuneratória de longo prazo para os seus activos em Portugal”.

Estes 615 megawatts da EDP Renováveis com impacto no novo acordo regulatório representam 8% da capacidade instalada da empresa.

O BES Investimento considera que o impacto deste acordo de princípio sobre os resultado por acção da EDP Renováveis é “baixo, já que a EDP Renováveis vai capitalizar e depreciar esta despesa até 2027”. O preço-alvo para a acção é 4,65 euros, sendo que o BESI atribui uma recomendação de "comprar".

Do lado do Estado, os analistas do BESI, Fernando García e Felipe Echevarría, apontam para poupanças “modestas”, de “cerca de 0,3% dos custos do sistema eléctrico português”. O ministério da Economia falou em 140 milhões de euros poupados.



Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de “research” emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de “research” na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.
Ver comentários
Saber mais EDP Renováveis energia EDP Manso Neto Álvaro Santos Pereira
Outras Notícias