Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Catarina Martins quer travar aumento da luz e combater privilégio das eléctricas

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, afirmou que uma das suas prioridades no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) é travar o "aumento brutal" anual da factura da luz e combater o privilégio das "eléctricas".

Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 30 de Setembro de 2016 às 07:45
  • Partilhar artigo
  • 58
  • ...

 

"Para conseguir limitar o aumento da próxima factura da luz, o BE tem como objectivo na negociação do OE2017 conseguir os necessários cortes e compensações das produtoras eléctricas para que a próxima factura da luz não tenha de subir", disse quinta-feira à noite durante uma sessão pública em Matosinhos, no distrito do Porto.

 

E acrescentou: "é preciso que 2017 não comece com um aumento de três por cento da luz, porque senão tudo aquilo que estamos a conquistar, nomeadamente o aumento do salário mínimo e pensões, é comido no aumento da luz".

 

Segundo a bloquista, a conta da luz em Portugal aumenta três por cento por ano, integrando a lista dos países onde mais se paga electricidade.

 

Simultaneamente, salientou, é dos países que dá às produtoras eléctricas contratos com mais margem de lucro.

 

"Para quem produz energia em Portugal é um bom negócio, mas para a generalidade da população tem sido um péssimo negócio", frisou.

 

Para a líder do BE, com algumas "alterações cirúrgicas", como modificação das rendas, é possível evitar o aumento da luz, salientando que os produtores de energia não vão gostar e vão ficar irritados.

 

Outra das soluções apontadas por Catarina Martins é estender a contribuição extraordinária a parte das energias renováveis, cuja tecnologia já amadureceu e tem negócio estabilizado e lucrativo e, com isso, descer o défice tarifário.

 

"A escolha que fazemos é esta: ou combatemos o privilégio para recuperar rendimentos ou ficará tudo na mesma".

 

Antes do início da sessão pública, Catarina Martins reuniu-se com trabalhadores do Porto de Leixões, em Matosinhos, para falar sobre a sua situação laboral.

 

A coordenadora bloquista salientou que a austeridade é sempre o empobrecimento de quem trabalha para o lucro de "uns poucos", revelando que há funcionários que fazem turnos de 16 horas ou que são avisados "em cima da hora" que têm de ir trabalhar.

Ver comentários
Saber mais Matosinhos Porto de Leixões Porto de Leixões electricidade energia
Outras Notícias