Energia Galp investe 114 milhões para reforçar no pré-sal brasileiro

Galp investe 114 milhões para reforçar no pré-sal brasileiro

A petrolífera portuguesa vai efectuar a aquisição de uma participação de 3% na licença BM-S-8, na bacia de Santos.
Galp investe 114 milhões para reforçar no pré-sal brasileiro
A unidade P66, última FPSO a entrar em produção no pré-sal brasileiro
Petrobras
Nuno Carregueiro 04 de julho de 2018 às 08:42

A Galp Energia vai reforçar a sua presença no mercado brasileiro de extracção petrolífera. Num comunicado emitido na CMVM antes da abertura da sessão desta quarta-feira, 4 de Julho, a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva refere que "está a preparar a aquisição de uma participação adicional de 3% na licença BM-S-8, na bacia de Santos, à Equinor".

 

Esta aquisição, segundo a mesma fonte, representa um investimento de 114 milhões de dólares (98 milhões de euros) para a Galp Energia, que assim passará a deter uma posição de 20% neste activo.

 

O valor é o mesmo do negócio realizado pela Galp em Outubro do ano passado, quando comprou 3% desta licença à Statoil, pelos mesmos 114 milhões de dólares.

 

Foi também em Outubro que o consórcio da Galp conquistou a área do Norte do Carcará, um bloco que a petrolífera portuguesa considera uma "área chave" para o desenvolvimento da sua operação no Brasil. O Norte de Carcará tem uma área de 313 quilómetros quadrados e o consórcio venceu o concurso depois de aceitar pagar um bónus de assinatura no valor de 930 milhões de dólares (800 milhões de euros), com 186 milhões de dólares (160 milhões de euros) a caberem à Galp. 

 

Aposta no Brasil

 

"A aquisição reflecte o acordo de alinhamento dos interesses participativos da Petrogal Brasil, Equinor e ExxonMobil nas licenças BM-S-8 e Norte de Carcará, que incluem a descoberta Carcará, no pré-sal", refere o comunicado da Galp, dando conta que a Equinor anunciou esta terça-feira a aquisição de uma posição de 10% da Barra Energia nesta licença.

 

Além de Carcará, o BM-S-8 inclui ainda o prospeto Guanxuma, onde o primeiro poço de exploração está actualmente a ser perfurado.

 

A Galp adianta que "no seguimento destas transacções, espera-se que a Petrogal Brasil venha a deter uma participação de 20% nas duas licenças, enquanto que a Equinor (operador) e a ExxonMobil 40% cada". Reforça que "estas aquisições reflectem o interesse estratégico da Galp em expandir a sua presença nas áreas core, como seja o pré-sal brasileiro, seleccionando para tal um conjunto de activos de elevada qualidade a ser desenvolvido através de parcerias sólidas".

 

A Galp Energia tem sempre destacado que o pré-sal no Brasil é um dos principais destinos dos seus investimentos futuros.

 

Em Março deste ano a Galp conseguiu a concessão de um bloco offhore na bacia de Campos, em consórcio com a Shell e a Chevron. EM Junho A Galp adquiriu uma participação de 14% no bloco de exploração petrolífera Uirapuru. 

 

A empresa está presente no Brasil desde 1999, em parceria com a Petrobras, contando actualmente com 26 projectos dispersos por seis bacias nas fases de desenvolvimento e produção: Santos, Potiguar, Pernambuco, Sergipe Alagoas, Parnaíba e Barreirinhas. É na bacia de Santos que marca maior presença, com seis projectos em três blocos de águas ultraprofundas, o BM-S-11, o BM-S-8 e o BM-S-24. 

Nos próximos anos, o Brasil tornar-se-á um dos principais países no mapa das reservas petrolíferas, sendo pois de importância estratégica para Portugal, até porque mais de 90% da produção da Galp tem origem naquele país.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI