Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Galp alvo de coima de nove milhões pela Autoridade da Concorrência

A Autoridade da Concorrência concluiu a investigação que estava a desenvolver à Galp Energia no mercado de gás de botija e vai aplicar-lhe uma coima de nove milhões de euros. A empresa está a analisar a decisão do regulador "com vista a exercer os legítimos direitos de reacção legalmente previstos."

Migeul Baltazar/Negócios
Alexandra Machado amachado@negocios.pt 03 de Fevereiro de 2015 às 16:51
  • Assine já 1€/1 mês
  • 16
  • ...

A Galp Energia foi condenada ao pagamento de uma coima de nove milhões de euros por práticas anticoncorrenciais no mercado de gás de botija. A coima foi aplicada pela Autoridade da Concorrência, confirmou ao Negócios fonte oficial da entidade liderada por António Ferreira Gomes, informação que estava a ser avançada pela SIC Notícias.

 

O processo já estava a decorrer, mas a decisão final foi agora comunicada à visada. A Galp terá de pagar nove milhões de coima aplicada por restrições verticais no mercado de gás de botija.

 

Em Maio do ano passado, António Ferreira Gomes tinha revelado no Parlamento que tinha emitido uma nota de ilicitude abrangendo a Petrogal, a Galp Açores e a Galp Madeira. 

 

De acordo com a informação então revelada, a Autoridade da Concorrência considera que os revendedores da Galp podem fornecer gás mesmo fora do território contratado.

 

Agora, em comunicado, a Autoridade da Concorrência reafirma a condenação, dizendo que a restrição concorrencial "é susceptível de penalizar os consumidores com preços mais elevados, já que os distribuidores de gás engarrafado da Galp Energia podem praticar preços e condições comerciais sem qualquer pressão concorrencial por parte de outros distribuidores concorrentes".

 

No continente a infracção realizou-se pelo menos 15 anos, "tendo-se mantido, de forma permanente e nesses precisos termos, até hoje". Nos Açores a prática vigorou durante 13 anos e na Madeira durante três anos.

 

Entretanto, a Galp Energia emitiu um comunicado onde diz estar a avaliar a decisão do regulador "

com vista a exercer os legítimos direitos de reacção legalmente previstos."

 

A petrolífera "lamenta esta decisão da Autoridade da Concorrência, por ser injustificada perante os factos apurados no caso concreto e baseada em argumentos meramente formais, reafirmando junto do público em geral e dos nossos clientes em particular que a empresa atua em mercados abertos e liberalizados, a par de grandes multinacionais estrangeiras, com total respeito pelas regras de concorrência", acrescenta no mesmo comunicado.

 

(Notícia actualizada com comunicado da Autoridade da Concorrência e com o comunicado da Galp)

Ver comentários
Saber mais galp energia gás botija autoridade da concorrência
Mais lidas
Outras Notícias