Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ministro do Ambiente quer mobilidade eléctrica alargada a todo o país até fim do ano

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, assumiu hoje que, até final do ano, haverá no país 50 postos de carregamento rápido para veículos eléctricos, para que a mobilidade eléctrica deixe de ser apenas "um fenómeno urbano".

Reuters
Lusa 08 de Agosto de 2016 às 14:51
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

"Até ao final do ano, será possível, em todo o país, que nos possamos deslocar em veículos eléctricos, porque haverá postos de carregamento rápido em todo o país", disse o ministro.

 

Segundo o governante, que inaugurou hoje o primeiro corredor de carregamento rápido para veículos eléctricos da rede MOBI.E, o objectivo, em 2017, passa por alargar este projecto.

 

"Até ao final do próximo ano, cada sede de concelho terá, pelo menos, um posto de carregamento e a mobilidade eléctrica deixará de ser entendida como um fenómeno urbano, mas sim um fenómeno que é possível acontecer em todo o país, com grandes ganhos para o ambiente e para todos nós", disse.

 

João Matos Fernandes, que viajou hoje num automóvel eléctrico até à área de serviço de Aljustrel da Auto-estrada do Sul (A2), onde decorreu a cerimónia, explicou que, para já, estão à disposição dos automobilistas seis postos de carregamento rápido, em quatro áreas de serviço, no corredor Lisboa-Algarve.

 

Mas, prometeu o ministro, até ao final do ano, serão 50, em várias auto-estradas do território nacional: "Será possível viajar de Viana do Castelo até ao Algarve e nos dois eixos para o interior", mais precisamente "na A25, que liga Aveiro a Vilar Formoso, e na A23, desde Torres Novas até à Guarda", em veículo eléctrico.

 

Nestas rodovias, continuou o governante, "haverá uma rede robusta de carregamento rápido, que permite que se dê uma carga ao automóvel em 20 minutos".

 

O desenvolvimento desta rede MOBI.E é "fundamental" para Portugal, afirmou, realçando que o projecto vai "permitir a mobilidade eléctrica" no país, "particularmente, fora das cidades".

 

"Não existiam postos de carregamento rápido no país e eles são determinantes para que se possam fazer distâncias como esta, Lisboa-Algarve, com toda a segurança em veículos eléctricos", referiu, frisando que, até final do ano, estes pontos vão gratuitos.

 

O Governo, assumiu João Matos Fernandes, tem a "grande ambição" de que, "dentro de dez anos, 10% dos veículos" existentes em Portugal sejam "veículos eléctricos", pelo que, para atingir este objectivo, é necessário apostar nas infra-estruturas.

 

"Para isso, o Estado tem de contribuir de forma decisiva para que exista uma rede pública de carregamento que permita que, dentro de muito pouco tempo, se possa utilizar, com igual grau de fiabilidade, um veículo eléctrico ou um veículo que não é eléctrico", defendeu.

 

O preço deste tipo de viaturas, reconheceu, é "mais elevado" do que o dos veículos a gasóleo e gasolina, mas o investimento, mesmo quando a energia eléctrica começar a ser paga, por ser mais barata dos que os combustíveis, "é absolutamente compensável, além da inexistência de emissões" de gases com efeito de estufa.

 

"Uma outra questão muito relevante é que os veículos eléctricos em Portugal não pagam imposto automóvel, porque este depende das emissões e da cilindrada. Não havendo emissões e não tendo os motores cilindros, não pagam", acrescentou.

 

Portugal tem de "fazer um esforço muito grande" para, até 2030, reduzir "no mínimo 30%" das emissões de gases com efeito de estufa, lembrou João Matos Fernandes, sublinhando que esta meta requer reduções nos sectores da indústria e da produção de energia, mas também dos "sectores ditos de poluição de origem difusa", onde os transportes têm "papel nuclear".

 

A conclusão da Rede MOBI.E, já prevista desde 2001, envolve a instalação de um total de 124 pontos de carregamento normal e da actualização tecnológica e instalação de 50 pontos de carregamento rápido.

Ver comentários
Saber mais João Matos Fernandes Rede MOBI
Mais lidas
Outras Notícias